Sofia Patsch/Estadão
Sofia Patsch/Estadão

Mumbai

A vibrante e ocidentalizada capital financeira

Sofia Patsch, Mumbai

29 Maio 2018 | 05h03

Chegamos em um fim de tarde à capital financeira da Índia, uma metrópole de mais de 20 milhões de habitantes, quando o sol estava se pondo no mar. Mumbai é a cidade indiana mais ocidental deste roteiro, com muita arquitetura britânica, herança dos ingleses que lá viveram.

Com bons restaurantes e grandes hotéis, foi uma pena que tivemos tão pouco tempo na cidade. Nos hospedamos no Trident Hotel, que fica de frente para a orla. O calçadão chega a lembrar algumas cidades litorâneas brasileiras, mas com outra atmosfera. As pessoas frequentam a praia artificial, construída pelos britânicos, mas ninguém se arrisca a entrar no mar, por causa da poluição. 

Do nosso hotel dava para ir a pé até a Colaba Causeway, ótimo lugar para compras. Ali dá para achar de tudo, desde souvenirs indianos até finas pashminas nas lojas mais chiques. Só tem que tomar cuidado com o assédio dos vendedores e sempre lembrar de barganhar. 

À noite fomos encontrar um amigo indiano que nos levou para jantar em um gostoso restaurante japonês no bairro chamado Bandra, conhecido como bairro dos artistas. Uma região jovem e descolada, mas um pouco longe do centro. Tivemos que pegar um típico táxi de Mumbai, decorado com motivos indianos. Para fechar a noite, fomos tomar cerveja em um pub inglês, mais uma herança e um hábito deixados pelos britânicos. 

Mais conteúdo sobre:
Índia [Ásia] Mumbai [Índia]

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.