Museus destrincham a espionagem

FELIPE MORTARA, O Estado de S.Paulo

29 Julho 2014 | 02h06

Ao criar personagens emblemáticos, como James Bond, o cinema deu ao submundo das relações diplomáticas contornos de mistério e suspense. O tema pode ter entrado no imaginário pelas telonas, mas sabe-se que os espiões desempenharam papel crucial nos tempos da guerra fria. No que depender de alguns museus, a espionagem está muito viva. E de olho em você. 

Conspirações à parte, a novidade recente no tema é o Spy Museum de Berlim, que abre suas portas até o fim do verão do Hemisfério Norte. Há 25 anos, o espaço de 2 mil metros quadrados onde fica o acervo era cruzado pelo muro que separava as Alemanhas Oriental e Ocidental.

Entre os métodos (alguns pouco ortodoxos, outros pitorescos) para investigar os inimigos, pasta para documentos com câmera infravermelha, mecanismos para conservar odores e até uma máquina Enigma da 2.ª Guerra Mundial, usada para codificar e decodificar mensagens secretas. Esmiúce as mecânicas de espionagem desde o exército de Hitler até o célebre agente 007. Além deste, há outros museus pelo mundo dedicados ao tema. Confira.

Washington

spymuseum.org

A poucos quilômetros da Casa Branca e da sede da CIA, o serviço secreto mais famoso do mundo, o Spy Museum (entrada a US$ 21,95) é um dos favoritos dos visitantes na capital dos Estados Unidos. Guarda a maior coleção do planeta de artefatos de bisbilhotagem: microfones, transmissores microscópicos e disfarces como a pistola do tamanho de um batom.

É curioso perceber como a imaginação e o improviso permearam as criações dos aparatos ao longo da história. Como nasceu o silenciador de armas de fogo? Ou o rastreador do tamanho de uma pulga? Objetos e fotos narram a trajetória e o envolvimento com espionagem de figuras célebres, como Mata Hari e George Washington. E há adereços cinematográficos: figurinos de Missão Impossível, carro de James Bond... Ah, além da lojinha, é possível comprar bugigangas online.

Leipzig

runde-ecke-leipzig.de

Do Prédio Redondo, na musical cidade alemã de Leipzig, armavam-se intrigas e esquemas inimagináveis e perigosíssimos. A então sede da polícia secreta da Alemanha Oriental (Stasi) foi transformada no Stasi Museum (entrada gratuita) e abriga uma amostra das atividades que dali eram coordenadas com seus mais de 85 mil funcionários.

Uma rede de espionagem e boatos foi criada no prédio, de forma a desestabilizar os oposicionistas do regime comunista. Para isso, utilizavam cartas anônimas despedindo funcionários ou denunciando supostos casos de traição conjugal. Além de preservar as instalações originais, com móveis, arquivos e quadros na parede, o museu exibe uma série de dispositivos (assustadores) de interrogatório.

Oberhausen

topsecret-oberhausen.de/en/

Alguma vez você já se perguntou se a espionagem impacta sua vida? Faça uma visita ao Museu Top Secret ( 12), uma das principais atrações da alemã Oberhausen, na fronteira com a Holanda. A proposta do moderno Top Secret é oferecer uma visão do passado e do presente da espionagem.

No cardápio, os avanços tecnológicos na espionagem contemporânea - militar e empresarial - e bugigangas high-tech, incluindo drones e óculos com câmeras. O acervo tem raridades da guerra fria, como um carro da KGB com microfones e rolos de gravação. Uma curiosidade: o serviço secreto russo tinha uma divisão dedicada a pesquisar a viabilidade dos cacarecos tecnológicos criados por Hollywood.

Mais conteúdo sobre:
Spy Museum de BerlimMuseu

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.