Na companhia de tubarões e pinguins

Não foram necessários nem dez minutos no fundo do mar de Galápagos. E lá estavam dois tubarões-martelo, quatro pinguins e uma fêmea de lobo-marinho ao lado de seu bebê. Atônito, me perguntei se ainda haveria algo mais espetacular nos próximos 30 minutos de mergulho que a sensação de "voar" na companhia de animais tão raros e amistosos.

ILHA BARTOLOMÉ, O Estado de S.Paulo

18 Outubro 2011 | 03h08

A resposta vem mais quatro metros abaixo, no mar da Ilha de Bartolomé, quando uma arraia dourada gigante se desprende de uma cava vulcânica coberta por lava. A paisagem do mundo submerso de Galápagos é tão ou mais incrível que a terrestre. A mistura de vulcões com fauna e flora de exotismo pré-histórico flutua num mar límpido - a visibilidade ultrapassa os 20 metros.

As tartarugas gigantes também passam mansamente ao lado dos mergulhadores. Sem falar na profusão de roxos e amarelos dos cardumes de peixes. E tudo isso sem que você esbarre em nenhuma lata de cerveja - como costuma ocorrer em destinos de mergulho menos preservados.

Mesmo para quem não tem o curso de mergulho com cilindro, é possível ver muito da beleza subaquática com snorkel e pés de pato - basta nadar pelos arredores do Pináculo.

O mergulho na ilha espanhola permite observar tubarões-gralha. Nos meses de novembro e dezembro, tubarões-baleia e cachalotes aparecem por lá, segundo os guias.

Água gelada. Mesmo num país tropical como o Equador, as águas do Pacífico são frias. A temperatura varia entre 16 e 20 graus, o que exige trajes de neoprene de pelo menos 5 milímetros de espessura. Roupas e equipamentos são fornecidos pelas operadoras dos cruzeiros. / D.Z.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.