Arquivo pessoal
Arquivo pessoal

Na Patagônia selvagem

A experiência. Passei quatro noites navegando pela Patagônia. Na mala, roupas resistentes ao vento, bota de borracha, óculos escuros e protetor solar. Era quase verão, mas os termômetros nunca marcavam mais de 7 graus.

June Locke Arruda, Especial para O Estado

16 Junho 2009 | 02h36

Os pontos altos da rota entre Punta Arenas e Ushuaia são o contato com a vida selvagem e as paisagens isoladas. Para completar, o navio tem cabines confortáveis, mas sem televisão. Um convite para se desligar da vida em terra firme.

As atrações. Na primeira parada, a Baía Ainsworth, fomos recebidos por elefantes marinhos. No dia seguinte, os pinguins das ilhotas Tucker roubaram a cena. Mas o momento mais emocionante ocorreu no Glaciar Pía: vimos 20 avalanches em duas horas. Primeiro, o estrondo. Depois, a coluna de gelo desmorona, deixando cacos brancos no mar. Também naveguei pela Avenida das Geleiras, no Canal de Beagle, e, antes de chegar a Ushuaia, passei pelo Cabo de Hornos e pela Baía de Wulaia, um antigo assentamento indígena.

 

Veja também:

linkRoteiros em branco e azul

linkHIMALAIA - Everest visto de frente

linkSUÉCIA - Quarto que derrete no calor

linkNORUEGA - Miniveneza entre os fiordes

linkCANADÁ - Show de cores

linkALASCA - Um verão repleto de blocos de gelo

linkANTÁRTIDA - Entre icebergs e pinguins

Melhor época. Entre os meses de setembro e abril.

Quanto custa. Quatro noites no navio Mare Australis: a partir de US$ 1.120, em cabine dupla. Informações: www.australis.com.

Mais conteúdo sobre:
Viagem Patagônia Argentina Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.