Não é bom viajar em agosto?

Nosso incansável viajante, infenso à balbúrdia que toma conta de todos os terminais na grande debandada que se repete nas férias escolares europeias, recolheu-se por alguns dias em sua casa no Condado de Essex, para organizar livros, anotações e passaportes, além de praticar um pouco de botânica doméstica.

Mr. Miles, miles@estadao.com.br, O Estado de S.Paulo

10 Agosto 2010 | 02h17

Dizendo-se um pouco agastado pelo calor, mr. Miles dá a pista de que, em breve, partirá para latitudes mais frescas.

A conferir nas próximas colunas. A seguir, a pergunta da semana:

Mr. Miles: desde pequena ouço dizer que não se deve viajar em agosto. O senhor sabe de onde vem essa lenda? Noemi Soares Fernandez, por e-mail

"Well, my dear, é claro que já tive notícias dessa estranha superstição. Mas, I must say, seria ótimo que mais gente no Hemisfério Norte ainda acreditasse em bruxas. Quem sabe, assim, os aeroportos estivessem mais toleráveis. Não há outra época do ano em que as pessoas se movimentem tanto em busca de praias e outras paragens do que durante as férias escolares, que ocorrem justamente este mês.

Li, certa vez, que os fofoqueiros do Império Romano criaram a lenda de que agosto é um mês condenável, porque nascido da inveja. Ele recebeu esse nome em homenagem ao Imperador César Augusto e deveria ter trinta dias. Mas Augusto, enciumado de Júlio César, cujo mês (julho) tinha um dia a mais, resolveu que a sua porção do ano também teria 31 dias. Unbelievable, isn"t it? Pois foi assim que o período mais quente do verão romano, outrora chamado sextilis, tornou-se agosto.

É, as you know, um período abrasador nessa porção do mundo. Os romanos acreditavam que, nesta data, um dragão percorria o céu cuspindo fogo. Ao longo dos tempos, a má reputação cresceu. Nos países latinos - sobretudo Portugal e Espanha -, desenvolveu-se a crença de que agosto, período de maus agouros, não é época para casar-se, mudar-se, abrir novos negócios e, of course, viajar.

A crença arraigou-se também no Brasil, sobretudo no Nordeste, conforme explicou-me, certa vez, a bordo de um licor de jenipapo, my good friend Cascudo (N. da R.: Luís da Câmara Cascudo, antropólogo e folclorista potiguar). "Em agosto, Miles, o povo fica mais temeroso e busca mais proteção", contou-me o estudioso, que escreveu nada menos que 8.533 páginas sobre o folclore brasileiro.

In fact, dear Noemi, agosto tem um notável recorde de catástrofes durante a História, que vão desde o massacre de São Bartolomeu, ordenado por Catarina de Médicis, em 1572, até a morte de Rodolfo Valentino, pranteada por minha tia Augustine e outros milhões de fãs ao redor do mundo. A Primeira Guerra Mundial começou no dia 1.º de agosto de 1914; a Segunda, em agosto de 1939. E as bombas de Hiroshima e Nagasaki, que mataram mais de 200 mil pessoas, foram lançadas em 6 e 9 de agosto de 1945.

By the way, algum engraçadinho ainda resolveu que o dia 24 desse mês deveria ser consagrado às sogras de todo o planeta.

Quanto a mim, darling, a pior lembrança que tenho de agosto é a de um congestionamento de 12 horas na estrada entre Aix-en-Provence e Nice. Que nem foi tão ruim assim porque a bordo de meu Aston Martin estavam my sweet Charlotte Rampling e três garrafas de um ótimo vinho de Bordeaux."

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ESTEVE EM 132 PAÍSES E 7 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOSN

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.