Napa Valley, sim, mas com moderação

Escolha os endereços essenciais, divida a direção com um amigo e deguste o melhor da região

Nívea Terumi, O Estado de S.Paulo

06 Outubro 2009 | 01h25

Fazer degustações e depois continuar na estrada pode não parecer a dica mais razoável. Mas com generosas doses de bom senso, goles pequenos e uma companhia para revezar no volante, você não precisa perder a primeira grande atração de nosso roteiro californiano: os vinhedos de Napa Valley, Sonoma e Santa Barbara.

 

 

 

Veja também:

mais imagens Uma semana de muita estrada na Califórnia

mais imagens Aperte o freio em São Francisco

mais imagens No trajeto para o Big Sur, a simpática Monterey

mais imagens Los Angeles com todos os clichês

mais imagens San Diego em dose única

Sabendo que parte da diversão está em tentar reproduzir a aventura de Sideways - aliás, gravado em Santa Barbara, e não em Napa, como muitos pensam -, as vinícolas permitem que duas pessoas dividam a degustação. Ou seja, o casal paga apenas uma tarifa e prova porções menores de vinho. A economia (além do receio de ser parado por um guarda) vira incentivo adicional para "pegar leve".

Napa Valley e Sonoma ainda são mais conhecidas que Santa Barbara, apesar dos incríveis benefícios proporcionados pela busca de Miles Raymond (Paul Giamatti) por bons goles de Pinot Noirs. Como uma cidade é praticamente grudada na outra, assim como as respectivas regiões produtoras, não se preocupe em saber onde exatamente você está. Apenas vá seguindo em frente - e ainda poderá se gabar depois por ter descoberto uma vinícola top.

Destino preferencial, Napa Valley tem mais de 250 vinícolas distribuídas em 56 quilômetros de estrada. Um dos orgulhos dos produtores da região é o selo de qualidade. Para ter no rótulo o cobiçado título "produzido no Napa Valley", é necessário que 100% das uvas usadas na fabricação do vinho sejam cultivadas lá mesmo. Isso, dizem seus defensores, é para manter a excelência da qualidade da fruta, que cresce aqui num clima perfeito favorecido pela umidade do Pacífico.

São tantas as opções que é difícil escolher aonde ir. Mas é preciso. Tenha em mãos um mapa da região, eleja as vinícolas essenciais e vá direto até elas, pois as salas de degustação fecham cedo, geralmente às 17 horas. Também não adianta madrugar: a maioria abre só a partir das 11 horas.

Reserve espaço na agenda para conhecer a Mumm Napa (www.mummnapa.com), braço americano da marca francesa de espumantes ou sparkling wines, como chamam por lá. Além de ter o melhor serviço de degustação - que pode ser feita num agradável salão com paredes de vidro e vista para os parreirais ou num terraço ao ar livre -, ela oferece tour guiado.

Se você quiser garantir a entrada nas vinícolas mais exclusivas, como a Robert Mondavi, do lendário vinicultor, faça reserva antecipada. Por lá, o tour básico custa US$ 15 (www.robertmondaviwinery.com).

SET

Em Santa Barbara, não espere instalações grandiosas nem turistas às pencas. Os locais em que foram gravadas cenas do filme estão sinalizados (www.santabarbaraca.com/sideways) e algumas locações dão aos visitantes o troféu "Eu Fui". É o caso da Blackjack Ranch (www.blackjackranch.com), em Los Olivos. Com US$ 15 é possível degustar uma dezena de rótulos e curtir a decoração, com fotos e referências a Sideways.

Feche o passeio no despretensioso restaurante Solvang (www.solvangrestaurant.com), que também foi cenário do filme. A cidadezinha de mesmo nome parece uma vila dinamarquesa, com direito a réplica de moinho.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.