Nas mãos de Getúlio, sucata vira arte

Além do bondinho turístico, um outro exemplar, feito de madeira e sempre "estacionado" na altura do número 1.000 da Rua Almirante Alexandrino, chama a atenção. É ali que funciona o ateliê de Getúlio Damada, que há 23 anos trabalha em Santa Teresa. Em suas mãos, embalagens de desodorante e cola, arame de guarda-chuva, tampinhas e tudo mais que aparece transformam-se em bonecos coloridos, painéis, quadros. "Na infância, era assim que criava meus brinquedos", diz o artesão de 53 anos. Mesclando o que aprendeu como funileiro e consertador de panelas, ele começou usar sucata para criar reproduções do bondinho - esse sim, o turístico. Getúlio fez fama e diversificou as obras. Mas ainda vende o bondinho por R$ 5.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.