Charles Platiau/Reuters
Charles Platiau/Reuters

Natal em Londres, réveillon em Paris: o que fazer

Envie sua pergunta para viagem.estado@estadao.com

Ricardo Freire, O Estado de S. Paulo

29 Novembro 2016 | 03h10

Nossa família – o casal e dois filhos adultos – vai passar as festas de fim de ano na Europa. Que dicas você dá para a noite de Natal em Londres e o réveillon em Paris? (Família Mello, Presidente Prudente)

 

Passar o Natal longe de casa e o réveillon fora do Brasil requer abrir mão de muitas coisas às quais estamos acostumados. O segredo de não ficar desapontado é evitar fazer dessas festas o foco da viagem – e, sobretudo, não querer reproduzir fora de casa a experiência que temos no Brasil.

Eu não recomendo jantares de Natal e ceias de réveillon em restaurantes. Não valem a exorbitância que custam. No Natal, falta a parentada e as crianças abrindo presentes no tapete; no réveillon, sobram formalidade e frieza. Para as duas situações, meu conselho é o mesmo: na manhã dos dias 24 e 31, passar em mercados ou delicatessens e comprar iguarias e comidinhas finas para fazer uma ceia-piquenique no quarto do hotel. Na Europa, para gelar o champanhe, basta deixar por meia hora no parapeito da janela... Façam uma videochamada pelo computador ou pelo celular, e a família que ficou no Brasil vai ficar com inveja da ceia improvisada nas “Zoropas”...

O Natal em Londres exige uma estratégia mais pensada: o transporte público deixa de funcionar às 20h do dia 24 e só volta a operar no dia 26. No dia de Natal, absolutamente nenhuma atração da cidade funciona (e o dia 26, conhecido por ‘Boxing Day’, também é feriado bancário, com muitos restaurantes fechados, e sem transporte de barco para Greenwich). Como Londres não é uma cidade monumental como Paris, Roma ou Praga, passar o dia 25 perambulando pela cidade não é uma boa opção. O melhor a fazer é se encaixar em passeios em grupo aos arredores – um combinado Bath & Stonehenge seria perfeito. 

No réveillon de Paris, convém evitar a Avenida Champs-Elysées, que costuma lotar demais e registrar alguma arruaça. O lugar mais auspicioso para estar à meia-noite é na colina da Basílica de Sacré-Coeur. A muvuca é menor do que nos Champs-Elysées ou na Torre Eiffel, e de lá pode-se ver todos os fogos que espocarem por Paris. Depois da meia-noite, não é preciso sair correndo: o que não falta na região de Montmartre são bares e cafés para continuar a comemoração. O metrô funciona a noite inteira, e de graça; nem todas as estações, porém, estarão abertas. Informem-se antes sobre qual será a estação aberta mais próxima do seu hotel. No dia 1.º, tudo estará fechado – mas Paris, ainda que vazia, continua a cidade mais linda do planeta. Dia de flanar e se esquentar a cada café que encontrarem aberto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.