Natureza em ebulição aos pés dos Andes

Bosques nativos, lagos e glaciares dão o tom na Reserva Nacional de Los Ciprestes, com trilhas de vários níveis de dificuldade. Para relaxar, que tal uma imersão nas águas termais de Cauquenes?

O Estado de S.Paulo

19 Janeiro 2016 | 02h59

Na província de Cachapoal, a presença da Cordilheira é determinante na definição das atrações locais. Ponto alto da visita, a Reserva Nacional Rio de Los Ciprestes está a cerca de 60 quilômetros de carro da capital Rancagua: um parque com 37 mil hectares, repleto de bosques nativos, lagos e glaciares, no qual a simples observação da natureza já compensa a visita. No nosso caso, não mais que uma permanência de alguma horas, tendo como ponto de partida o aprazível hotel Almahue. A começar pela deliciosa acolhida no Refugio de Cordillera Río Cipreses, onde fomos recepcionados pelo casal Rosario Urrea e Miguel Carrasco, que administram o café, logo à entrada do parque. 

Além de provar as delícias locais – não deixe de experimentar uma fatia de kuchen: torta de amoras selvagens (2.500 pesos ou R$ 14) acompanhada de limonada gelada (1.500 pesos ou R$ 8 o copo) –, no local é possível agendar passeios e caminhadas por toda a reserva. E obter suporte para atividades mais específicas, como trekking e cavalgadas.

Um passeio pela reserva com um a três visitantes, semelhante ao que percorremos, visitando diversas cachoeiras, com o acompanhamento de Carrasco, tem a duração de uma manhã e custa 50 mil pesos (R$ 275) por pessoa, embore os valores fiquem mais baratos com grupos maiores. Já um passeio a cavalo, incluindo guia, animais e alimentação, sai por 35 mil (R$ 193).

De particular interesse, em especial para as crianças, a contemplação da vida silvestre pode ser feita em diversos pontos das trilhas que cortam o parque. Aves como o barulhento loro tricahue, que constrói seus ninhos nas rochosas encostas locais, além do icônico condor, podem ser avistados por lá. Entre os mamíferos, a raposa vermelha costuma marcar presença. 

Aberto o ano todo (os ingressos para adultos custam 5 mil pesos ou R$ 27), o parque tem nos meses de setembro a dezembro sua melhor época de visitação. Salvo se o interesse for contemplar montanhas nevadas, quando junho e julho são os meses mais apropriados, desde que, claro, o viajante esteja munido de roupas apropriadas. Para estadias mais prolongadas, a reserva dispõe de uma área para acampamento, mas é essencial fazer as reservas com antecedência.

Para aquecer. A apenas 16 quilômetros de Los Ciprestes, as Termas de Cauquenes estão entre os centros termais mais antigos do Chile, com instalações originais de 1876. Autêntica relíquia nacional, foi construída no estilo gótico tardio e conserva ainda intactas muitas de suas banheiras de mármore. Incluindo uma utilizada pelo próprio general Bernardo O’Higgins. 

Cercado por densos bosques, além de árvores e trilhas centenárias (algumas que remontam a tempos pré-colombianos), as termas podem oferecer bons momentos de descanso e contemplação. Testadas e aprovadas, suas águas termais ultrapassam facilmente os 40 graus, tanto nos banhos de imersão como nas piscinas naturais, e possuem efeito altamente distensivo. 

Uma pena que o estado das dependências reservadas aos hóspedes, ao contrário do bem conservado complexo arquitetônico, não faça jus ao preço das diárias (a partir de 105 mil pesos ou R$ 580 o casal), nem ao glorioso passado do local. Quartos com móveis antigos e ar condicionado em mau estado – além de um restaurante com uma carta de vinhos modesta demais para a região – recomendam que, para ser de fato relaxante, a estadia nas termas seja breve. 

 

Mais conteúdo sobre:
Chile

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.