No embalo musical de Nova York

No embalo musical de Nova York

MÔNICA NOBREGA, FÁBIO VENDRAME, O Estado de S.Paulo

16 Setembro 2014 | 02h05

Em direção ao norte de Manhattan, a Rua 110 marca tanto o fim do Central Park quanto o começo de uma das áreas mais festivas e culturalmente agitadas de Nova York. Reduto da população afro-americana na cidade, o bairro do Harlem é tão interessante quanto esquecido por turistas iniciantes na metrópole.

Para além dos cultos de domingo animados por potentes corais gospel, a musicalidade da região inclui o movimento hip hop, que tem seu berço ali e no distrito vizinho do Bronx, onde também nasceu e cresceu a empresária Debra Harris, de 47 anos. Em contato permanente com as criações de seus amigos durante toda a juventude, Debra criou, em 2000, a Hush Tours, cujo carro-chefe é o passeio Birthplace of Hip Hop (Berço do Hip Hop).

Com 4 horas de duração, o tour parte do centro de Manhattan em direção ao Harlem e ao Bronx, guiado por figuras fundadoras do movimento, tais como Grandmaster Caz e Kurtis Blow. A introdução mira os não iniciados: os guias apresentam os quatro pilares do movimento - disc-jóqueis, os DJs, produtores musicais; mestres de cerimônia, os MCs, que rimam e conduzem o show; a dança de rua ou break; e o grafite. "O hip hop não começou com Run DMC e os Beastie Boys, existe desde os anos 70" é uma das falas repetidas pelos guias.

As paradas incluem o Hall da Fama do Grafite, em East Harlem; o Teatro Apollo, ícone cultural de toda a música negra dos Estados Unidos, onde Ella Fitzgerald cantou aos 17 anos, e que recebeu ainda Aretha Franklin, Ray Charles, The Jackson 5 e James Brown; o número 1.520 da Sedgwick Avenue, endereço da festa promovida pelo DJ Kool Herc que é considerada o primeiro evento de hip hop, em 11 de agosto de 1973; e a Calçada da Fama do Bronx, cujo elenco vai de outra lenda do hip hop, Afrika Bambaataa, ao primeiro grupo de dança de rua, o Rock Steady Crew. O tour em grupo, em ônibus, ocorre às quartas, sextas e sábados, às 11 horas, e custa US$ 75 por pessoa. Há também tours a pé e privativos. Mais: hushtours.com.

Outra ideia para se aprofundar na história e nas peculiaridades culturais do Harlem, além de testemunhar a vívida religiosidade local, é se encher de disposição e acordar cedo no domingo. Começa às 8h45 o passeio de 4 horas da Harlem Spirituals (harlemspirituals.com), cujo roteiro inclui o Teatro Apollo, a Universidade Columbia e o Centro Schomburg de Pesquisas em Cultura Negra, entre outros pontos marcantes da região. A última parada é em uma igreja para assistir a um culto que inclui, claro, um coral gospel. O passeio custa US$ 59.

À margem. Bairro que vive atualmente um renascimento (e um processo de especulação imobiliária), East Village é onde o movimento punk se fez em Nova York. Foi por ali, a sudeste da Union Square, que Andy Wahrol, The Velvet Underground e Patti Smith explodiram; ali, no 315 da Bowery Street, ficava o CBGB original, o clube, o mito.

O tour guiado de 2 horas da Free Tours By Foot (oesta.do/nyfreetour) tem como objetivo mostrar esse lado B de Nova York, onde a arte marginal, os movimentos populares, o crime e as drogas fazem parte da história. A St. Marks Place, via de lojas alternativas, está no itinerário, bem como o Cooper Union Hall, onde Abraham Lincoln fez seu discurso contra a escravidão, em 1859. O passeio é gratuito, no esquema pague no fim o quanto achar que vale. Aliás, vasculhe o site da Free Tours by Foot: há várias opções de passeios guiados, gratuitos e nada convencionais: noturnos, gastronômicos, de bicicleta…

Pizza é hype. Se você já viu e reviu Manhattan, ou se quer voltar fazendo aquela cara blasé de quem conhece segredos de Nova York, o Brooklyn é o lugar para ir. O distrito do outro lado do East River está no radar dos antenados há uma década. E o passeio da A Slice of Brooklyn adiciona um ingrediente saboroso a essa atmosfera hype: pizza. O passeio vai misturando lugares manjados com outros, digamos, alternativos. Tem Ponte do Brooklyn e também Ponte Verrazano-Narrows, ligação com Staten Island. Os apartamentinhos minúsculos de aluguéis estratosféricos de Williamsburg e as mansões cinematográficas da Shore Road, em Bay Ridge. Locações de filmes como Noivo Neurótico, Noiva Nervosa (1977) e Os Bons Companheiros (1990).

E, no meio disso tudo, pizzarias que são ícones na cidade e contam a história da delícia italiana em Nova York: a Grimaldi's, que faz pizzas em estilo napolitano, e a L&B Spumoni Gardens, com pizzas sicilianas. O tour dura 4h30 e custa US$ 80 - as fatias de pizza estão incluídas. Site: asliceofbrooklyn.com/pizza.html.

Célebres escândalos. Experts no assunto, os produtores do site de notícias sobre celebridades TMZ, um dos mais antenados - e venenosos - transplantaram de Hollywood para Nova York seu tour pelo universo dos famosos. O estilo é o mesmo: entre um e outro lugar frequentado por artistas, escândalos e histórias que eles gostariam que fossem esquecidas. Como o dia de fúria em que Charlie Sheen destruiu um quarto no hotel The Plaza (theplazany.com) e causou um prejuízo estimado em US$ 7 mil, ou a casa noturna onde Lindsay Lohan se meteu em mais uma confusão.

Risadas e fofocas estão garantidos. Os deslocamentos são a bordo de um ônibus equipado com telões e a promessa de um "show de entretenimento sobre rodas", em que são exibidos points de celebridades em Greenwich Village, SoHo, Meatpacking District, Tribeca e outros bairros. São 2h30 de passeio, a partir do Ellen's Stardust Diner (ellensstardustdiner.com), em Midtown.

Também há jogos de perguntas e respostas entre os passageiros - e quem se sair melhor pode ganhar um upgrade para visitar ícones da cidade, sem filas. Custa a partir de US$ 45 por pessoa. Reservas com a On Location Tours (onlocationstours.com), especializada em roteiros inspirados na TV e no cinema. / MÔNICA NOBREGA E FÁBIO VENDRAME

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.