No meio do caminho tem uma conexão

Por que só passar por Paris se você pode ficar alguns dias? Passageiros da Air France (airfrance.com.br) podem aproveitar a conexão no aeroporto Charles de Gaulle, centro de distribuição de voos (hub, no jargão da aviação) da empresa francesa, para esticar a estada na capital sem pagar mais por isso - o período varia de acordo com o voo.

O Estado de S.Paulo

29 Novembro 2011 | 03h07

Em até três dias, estreantes podem ter uma ideia geral da Cidade Luz e dar uma olhada em seus principais pontos turísticos. No Arco do Triunfo começa a Avenida Champs Elysées - onde você encontra cafés e restaurantes com cardápios e preços diversos para um almoço memorável. Na outra ponta da avenida está o Museu do Louvre, com a pirâmide a postos para fotos (entrar para ver a Monalisa talvez leve tempo demais).

Subir ao alto da Torre Eiffel é programa tão indispensável quanto demorado, por causa das filas sempre longas. Para driblar a espera, compre o tíquete no site (tour-eiffel.fr) antes de embarcar.

A Catedral de Notre Dame é outro "tem de ver". Aproveite para caminhar junto ao Rio Sena até a Ponte Neuf. A Basílica do Sacré Coeur e a foto na fachada do Moulin Rouge ficam para o dia seguinte.

Se não é a primeira vez na cidade, melhor ainda: o charme arrebatador que faz de Paris o principal destino turístico do planeta se revela mesmo nas caminhadas sem pressa, no prazer da descoberta, nas mesas ao ar livre. O Marais, bairro descolado entre o Louvre e a Bastilha, concentra endereços gastronômicos e boêmios de clima jovem e lojas criativas. A chiquérrima Place des Vosges fica por perto. O Centro Pompidou, também. Outro museu para iniciados: o ótimo D'Orsay.

Menos famosa, a Rue Jean-Pierre Timbaud, perto da Place de la République, reúne bares e restaurantes que são garantia de diversão autêntica. Veja concertos de jazz no Marquise Café (marquisecafe.fr) e saboreie um confit de pato no bistrô Chez Astier (em média, 25 por pessoa; restaurant- astier.com). Você se sentirá praticamente um morador.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.