No mercado, a agilidade do chef recordista em fritar rãs

Faz frio na manhã de sábado, mas o chef Raôul Tauvie, no melhor estilo Ratatouille, sua o avental para chamar atenção. Grita, gesticula, pega uma bacia de rãs, grita, joga na frigideira, frita, seca, grita e vende. O público para na frente da barraca e acompanha os movimentos do recordista mundial de fritura de rãs. É isso. Raôul Tauvie frita nada menos que 1.652 rãs em 15 minutos.

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

12 Maio 2009 | 02h41

 

Veja também:

Caminhos da Borgonha

Culinária e história revelam alma da capital

Figurante num jantar black-tie

Tour no castelo de um autêntico conde falido

Abadia secular entre o garfo e a taça

Três estrelas para um santuário gastronômico

O simpático chef fala orgulhoso de sua façanha enquanto serve a bandeja aos passantes. Ai de quem não experimentar nem agradecer. Depois, conversa com os visitantes até descobrir um brasileiro entre eles. Arrisca poucas palavras em português, aprendidas nos bons meses do ano que passa em sua casa de Paracuru, no Ceará. Tauvie chegou lá por causa de um amigo francês, dono de um hotel na região. Apaixonou-se pelo lugar e hoje dá cursos de culinária para jovens carentes.

O encontro com o chef - e a degustação de rãs - é somente a primeira parada de um passeio gastronômico por Beaune. Todos os sábados, a cidade promove um dos mais famosos mercados de rua de todo o país, um paraíso para bon vivants e turistas curiosos. Tendas saborosas, como a de Raôul Tauvie, vendem iguarias típicas da região e, assim, reafirmam a reputação da Borgonha de "estômago da França".

Dá fome andar entre as barracas. Tem de tudo: carnes de porco, como as famosas saucisses (ou linguiças) de Morteau, vegetais fresquinhos, frutas, ovos, mel, mostardas de Dijon... Para a sobremesa, macarons. Mas os queijos são imbatíveis. Experimente o époisse, maturado em caves durante três meses, e os Saint-Florentin e Soumaintrain, ambos com sabor bem forte.

Depois de se perder entre os mais diversos aromas e sabores do mercado - e de encher as sacolas com produtos -, vale dar mais uma voltinha por Beaune. Nos fins de semana, a cidade, sempre agitada, acontece nos cafés e restaurantes ao redor das praças. Mais uma vez, você será pego pelo estômago. Impossível escapar.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.