Noite a bordo de um trem soviético

Por falta de planejamento, acabei tendo de enfrentar 18 horas de viagem em um trem da época da União Soviética, dividindo cabine com outras três pessoas e sem um restaurante onde comprar um lanche, um café da manhã. Contando assim, parece pior do que é na verdade. Às explicações.

Renatra Reps/SUDAK, O Estado de S.Paulo

22 Outubro 2013 | 03h13

Depois de dias de muito sol, banhos no mar de água morna e imersão na cultura tártara da Crimeia, chegou a hora de voltar para o continente. O primeiro trecho da viagem a Kiev levou duas horas de ônibus até Simferopol. Fui de manhã para aproveitar o dia na capital da Crimeia, com malas devidamente trancadas no guarda-volumes da estação de trem, ponto de desembarque também dos ônibus vindos do litoral.

Dali, segui para os arredores da Praça de Lenin, no centro. Uma das travessas da praça é a Rua Gorkogo, cheia de lojinhas, bares e restaurantes. Na Rua Puchkin está o Café Bordo, com um simpático toldo bordô e ambientes cobertos com cortinas claras no meio da rua. E, finalmente, um menu em inglês.

Como a influência das culturas turca e grega é muito forte na Crimeia por causa da proximidade geográfica com esses países, fuma-se narguilé em quase todos os cafés e bares. Nos restaurantes, grandes sofás convidam a se sentir em casa, então, não se acanhe em colocar os pés sobre eles ou deitar após um farto jantar: ninguém estranha o comportamento.

Foram alguns momentos de conforto antes da aventura de fato, que começou no fim do dia, quando embarquei no trem noturno rumo a Kiev. A forma mais conveniente, claro, é fazer o trajeto de avião - desde que você tenha reservado com bastante antecedência, o que eu não fiz. Fiquei sem lugar.

Aquela cabine com poucos companheiros no vagão de segunda classe, apesar de tudo, ainda foi uma sorte. Caso não houvesse mais lugar ali, teria de ir para um vagão coletivo, com beliches lado a lado, sem divisórias. E ainda consegui uma das camas de baixo. Diante da situação, estava no lucro. Ter levado lanche também ajudou, já que a composição tem apenas chá e café para os passageiros.

Além de endereço mais adequado no país para quem quer descansar no litoral, a Crimeia também é um centro de importantes festivais, procurados por turistas de toda a Europa. É no verão, claro, que a maioria deles ocorre. São ótimas oportunidades para ver os artistas locais e da Rússia, mas também estrelas inglesas, suecas, irlandesas. É só escolher o seu evento.

Kazantip

http://kazantip-republic.com

Concorrido festival de música eletrônica realizado ao longo de cinco a seis semanas na cidade de Popovka, sempre durante o verão, entre os meses de julho e agosto.

Koktebel Jazz Festival

www.koktebel.info/ru

Festival de jazz da cidade de Koktebel recebe músicos e artistas nacionais e internacionais durante as duas últimas semanas de setembro.

Festival Internacional

de Cavaleiros

festival-sudak.com

A Fortaleza Genovesa, cartão-postal da cidade de Sudak, ganha vida uma vez por ano no verão, quando amantes de esgrima e do modo de vida da Idade Média se reúnem no local para exaltar os esportes e as tradições culturais daquela época, com direito a roupas, culinária e batalhas medievais. Curioso e, ao mesmo tempo, bastante divertido. / R.R.

Cenário: Renata Reps

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.