Ricardo Freire/AE
Ricardo Freire/AE

Noronha

Nem superluxo, nem domiciliares. Conheça as pousadas do pelotão intermediário

Ricardo Freire/AE, O Estado de S.Paulo

16 Fevereiro 2010 | 02h04

Fernando de Noronha era território militar. Quando a ilha foi aberta para o turismo, no fim dos anos 1980, os visitantes passaram a ser acomodados nas casas dos moradores - em sua maioria, casinhas pré-fabricadas de madeira escura, besuntadas com um verniz não muito cheiroso. Para chegar ao seu quarto, o hóspede passava pela sala onde a família via TV aboletada em sofás cobertos com plástico para não estragar o estofado.

Em meados da década de 1990 havia duas pousadas, digamos, de elite: a Solar dos Ventos, a única que tinha chalés individuais, e a Zé Maria, que oferecia a melhor comida da ilha. No fim da década, programas governamentais de financiamento permitiram às pousadinhas equipar os quartos com o trio básico ar-televisão-frigobar. Pouco a pouco elas foram deixando de ser de fato domiciliares, com as famílias se mudando de suas casas originais para que mais quartos pudessem ser alugados.

No início deste século iniciou-se uma nova fase na hotelaria da ilha, com a autorização para a instalação de pousadas de luxo. Capitaneado pela Pousada Maravilha e por uma renovada Zé Maria, surgiu um grupo de hotéis com conforto, charme, serviço - e diárias que, hoje, começam na faixa de R$ 900 na alta temporada.

Quem não se dispõe a cacifar as mais caras, nem a entrar na loteria das pousadinhas domiciliares (que custam entre R$ 180 e R$ 250 por noite), deve dar uma boa estudada nas do pelotão intermediário.

Algumas aproveitaram a localização em terrenos grandes ou bem situados e conseguiram autorização para construir anexos nos fundos. Outras deram um upgrade no equipamento (ar split, cama box) e aquela caprichada básica na decoração.

Os preços, como é característico de Noronha, são salgados - tudo na ilha custa pelo menos o dobro do continente (e a manutenção, especificamente, consegue ser ainda mais cara). As mais confortáveis e aconchegantes do grupo estão num nível de preço muito próximo ao encontrado nas da tropa de elite. As pechinchas você vê no fim deste artigo.

ATÉ R$ 800

A maior novidade do grupo intermediário é a Pedras Secas, uma construção muito bem-acabada na Floresta Nova. Tem apenas quatro apartamentos e costuma receber hóspedes que não conseguem vaga na Solar dos Ventos, de propriedade da mesma família (de R$ 504 a R$ 792; tel.: 0--81-3619-1625). Uma das pousadas top da ilha, com bangalôs dúplex, a Pousada do Vale, nas cercanias da Vila dos Remédios, tem também uma ala de apartamentos bem resolvidos na sede (de R$ 594 a R$ 756; pousadadovale.com).

Perto do Ibama, a Pousada do Marcílio conta com ala de chalés nos fundos do terreno e deu uma guaribada nos quartos da casa principal (de R$ 410 a R$ 930; www.pousadamarcilio.com.br). Já o hotel Dolphin, que foi a primeira construção de alvenaria da ilha, é o equivalente noronhense de um hotel de pacote do continente (R$ 501 a R$ 724; www.dolphinhotel.tur.br).

ATÉ R$ 600

Simpática, despretensiosa e muito bem localizada, com vista para o Morro do Pico, a Pousada da Morena tem apartamentos corretos na sede e em chalés (de R$ 395 a R$ 583; noronha.com.br). A mais transadinha do time é a Beco de Noronha, que instalou um ofurô e criou um espaço zen no pátio (de R$ 502 a R$ 645; becodenoronha.com.br).

Sua vizinha, a Pousada da Filó, possui uma fileira de apartamentos pequenos com vista para o Morro do Pico da varanda (de R$ 288 a R$ 580; a suíte master, com ofurô, sai R$ 750; www.pousadadafilo.com.br). Completando o grupo, nos fundos da Floresta Nova, a Estrela do Mar espalha seus chalés num terreno com vista para o vale onde está o aeroporto; os mais em conta são mais agradáveis, por terem acabamento interno de alvenaria (de R$ 470 a R$ 516; pousadaestreladomarfn.com.br).

ATÉ R$ 400

É difícil superar o custo-benefício da Colina dos Ventos, situada no topo de uma elevação entre a Vila dos Remédios e a Vila do Trinta. As áreas sociais, porém, são mais charmosas que os apartamentos (R$ 350; pousadacolinadosventos.com.br). Já a Verdes Mares, na Floresta Nova, é como toda pousadinha domiciliar poderia ficar: as paredes foram pintadas de branco e os apartamentos ganharam cama box, ar split e televisãozinha LCD (de R$ 320 a R$ 380; bluenoronha.com.br).

Das pousadas da Vila dos Remédios - o "centro" de Noronha - a mais estruturada é a Simpatia da Vila. Os apartamentos mais interessantes ficam no anexo dos fundos, onde há um redário com vista para a mata (de R$ 247 a R$ 377; pousadasimpatiadailha.com.br).

Mais conteúdo sobre:
Turista Profissional

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.