Divulgação
Divulgação

Nos aviões, lanche pago e taxa para banheiro

Gol passou a vender comida e a irlandesa Ryanair lidera de longe a lista de cobranças extras

O Estado de S.Paulo

09 Junho 2009 | 02h30

A moda de cobrar serviços extras - alguns não tão extras assim - nos voos chegou ao Brasil. Na semana passada, a Gol anunciou que a partir de agora vende lanches e bebidas em seus aviões que partem de Guarulhos com destino a Belém, Fortaleza, Natal, Porto Alegre e Salvador. Isso quer dizer que, além de refrigerantes, sucos e do já famoso saquinho de amendoim servidos pela companhia, os passageiros podem comprar sanduíches, cervejas e vinho.

O cardápio da empresa brasileira tem três tipos de sanduíche (saudável, gourmet, caprese e kids), todos por R$ 10. Os combos, que incluem bebida não alcoólica e um acompanhamento, como chocolate, castanhas ou batatas, saem a R$ 15. A cerveja em lata custa R$ 5 e o vinho (187 ml), R$ 15. O pagamento pode ser feito com cartão de crédito ou dinheiro.

Segundo a assessoria da Gol, a companhia decidiu começar o serviço depois de realizar pesquisas com os clientes e afirma que deve ampliar a venda para outras rotas.

A prática de vender os lanches antes servidos à vontade já é bem comum em empresas internacionais. Em muitos de seus voos internos, a espanhola Iberia cobra por parte do serviço de bordo. Jetblue, Easyjet, United Airlines (em rotas internas) e muitas outras companhias fazem parte do grupo que decidiu que o cliente deve pagar pelo cafezinho a mais.

A American Airlines também tem sua cota no quesito taxas. Desde o ano passado, em voos internos nos Estados Unidos, o passageiro que compra tíquetes promocionais da classe econômica precisa pagar US$ 15 (R$ 30) a mais para despachar a bagagem. Se decidir levar mais uma mala, terá de pagar US$ 25 (R$ 50) extras - mesmo se ela for levinha.

A CAMPEÃ

Uma das empresas intituladas low cost (baixo custo) mais famosas por cobrar taxas inimagináveis é a irlandesa Ryanair. Para se ter uma ideia, a companhia anunciou que planeja cobrar 1 libra (R$ 3) de quem usar o banheiro durante o voo. Em entrevista publicada no jornal inglês The Guardian, o presidente da aérea, Michael O'Leary, disse ainda que os planos incluem a retirada de dois dos três banheiros dos Boeings 737-800 da empresa para dar espaço a mais seis poltronas dentro do avião. Segundo ele, o tempo médio dos voos da Ryanair é de uma hora e, por isso, torna-se desnecessário ter três banheiros.

Atualmente, a companhia cobra até o check-in online. São 5 libras (R$ 15) para não pegar fila no guichê do aeroporto. As cobranças por bagagem também são comuns. São 10 libras pela primeira mala e mais 20 libras (R$ 62) por uma segunda ou terceira. Sendo que, no total, o passageiro pode levar um máximo de 15 quilos. Caso contrário terá de pagar pelo excesso de bagagem, cujo valor é divulgado no embarque.

Crianças até 2 anos não pagam passagem, como de praxe. Mas a Ryan Air criou uma taxa de 20 libras para levá-las a bordo. Se você estiver com o carrinho de bebê, terá de desembolsar mais 30 libras (R$ 94). A Ryanair vende passagens por a partir de 1 libra e concentra seus voos no Reino Unidos e nos países vizinhos.

Mais conteúdo sobre:
Viagem preço serviço avião

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.