Adam Ferguson/NYT
Adam Ferguson/NYT

Nos extremos, a graça de uma cidade em seu auge

Bangcoc atingiu seu ápice. É moderna, nada antisséptica, cheia de luxos e de excelente gastronomia, sem pesar demais no bolso. Em meio ao brilho do sol, um emaranhado de fios e calçadas quebradas enfeia o cenário, sem tirar o charme e a personalidade da capital tailandesa. De alguma maneira, os extremos coexistem: arranha-céus e predinhos populares; restaurantes com guardanapos de linho e barracas de comida de rua; hotéis cinco-estrelas e pulgueiros.

THOMAS FULLER / BANGCOC , THE NEW YORK TIMES, O Estado de S.Paulo

02 Abril 2013 | 02h10

Viajar para Bangcoc é visitar várias cidades dentro de uma. Se o tráfego não andar, há cada vez mais alternativas de transporte público, de barcos às linhas de metrô em expansão. Mas se há uma razão para retornar várias vezes à capital é o povo. O crescimento do modo de vida urbano está eliminando lentamente o tradicional sorriso thai. Ainda assim, trata-se de uma das mais amigáveis cidades do planeta. 

Navegação e pôr do sol

A região beira-rio de Bangcoc está passando por um renascimento. Restaurantes e hotéis-butique estão povoando a área, enquanto galpões vêm dando lugar a mercados noturnos para os turistas.

Além disso, o Grande Palácio e o Wat Run (Templo do Amanhecer) estão magnificamente iluminados à noite.

Aposte em um barco privativo para um tour de 20 minutos, uma alternativa bem mais agradável aos cruzeiros de gosto duvidoso pelo Rio Chao Phraya. O passeio é gratuito, desde que se reserve uma mesa à beira-rio no restaurante Chon Thai, no elegante (e repleto de antiguidades) Hotel Siam (thesiamhotel.com).

Peça para o barco-shuttlte apanhar você no pier Saphan Taksin, na parada do skytrain de mesmo nome. Depois, escolha um drinque para assistir ao pôr do sol antes do jantar. Peça salada de pomelo e costelas de porco temperadas com mel de longan (fruta semelhante à lichia) e limão.

 

Gueto na moda

Vá de carro até o gueto estrangeiro de Bangcoc, uma área vibrante próximo a Khao San Road – um grande centro mochileiro do sudeste asiático. Por décadas estas ruas estreitas e cheias de becos foram o paraíso da comida barata e point de hospedagem para viajantes econômicos. Agora, a região se tornou também o destino da moda para jovens tailandeses, que frequentam os bares dos hostels. Aproveite a noite com música ao vivo num pequeno bar chamado Blues (13, Samsen Road).

 

Charme antigo. E alguma decadência

Descubra o charme decadente da antiga Bangoc: lojinhas de madeira e bulevares repletos de árvores alinhadas cortados por canais. Suba os degraus do Pukhao Tong (Montanha Dourada) para ouvir os sons encantadores que vêm do monastério. Na saída, mate a fome com uma tigela de noodles servida em um dos restaurantes familiares da região – ou mesmo em uma das barraquinhas.

Ao caminhar cinco minutos a partir do Pukhao Tong Walk chega-se à estação fluvial Saen Saeb. Embarcar exige agilidade, mas o preço do traslado é ok: menos de 20 baht (R$ 1,38) para ir de Pratunam (Water Gate) ao centro do distrito de compras de Bangcoc.

Vale o alerta: peça para ser avisado quando chegar ao seu ponto de parada, já que não há avisos sonoros ou de qualquer outro tipo. A partir de Pratunam siga até Ratchaprasong Skywalk, um caminho elevado de quase 1 quilômetro de extensão que conecta alguns dos maiores shoppings da cidade.

No nível da rua está o Erawan Shrine, repleto de incensos e pessoas pedindo boa sorte ao deus Phra Phrom.

 

Drinques nas alturas

Este pode ser o mais incrível bar panorâmico que você já viu. Enfrente a multidão para subir ao Sky Bar Atop State Tower, no Lebua Hotel (lebua.com/sky-bar). O destaque aqui é a escadaria externa que leva ao bar, instalado em um compacto domo localizado sobre o edifício de 247 metros de altura.

Fique atento ao irritante dress code “esporte fino”: isso significa nada de chinelos, shorts ou jeans rasgado. Esteja preparado para pagar 320 baht (R$ 22) por uma cerveja Singha – ou 2.900 (R$ 199) por uma taça de champanhe. O preço vale pela magnífica vista do centro da cidade, com o Rio Chao Phraya ao fundo.

 

Delícias tradicionais

Quando David Thompson abriu o Nahm no Hotel Metropolitan (comohotels.com/metropolitanbangkok/dining/nahm) em 2010, formou-se um burburinho sobre o fato de um chef australiano cozinhar a autêntica comida tailandesa. Depois de dois anos de incessantes filas, o Nahm confirmou seu lugar na culinária thai. Basta uma mordida no ma hor – uma mistura agridoce de porco, amendoim e abacaxi – para você ter certeza de que vai embarcar no delicioso (e sim, autêntico) menu tailandês. Peça a salada de frango grelhado com geleia de pimenta e durian (fruta semelhante à jaca). Cuidado: alguns pratos são extremamente apimentados. A refeição custa cerca de 2 mil baht (R$ 137) por pessoa.

Um adendo: conhecido como “rei das frutas”, o durian pode ser encontrado numa caminhada a esmo pelas ruas de Chinatown (Yaowarat). Não se deixe dissuadir pelos carrinhos que entregam a fruta com cheiro de meia de ginástica. Disponível o ano todo, o durian tem uma cremosidade única.

 

Vende-se de tudo

Antes dos shoppings centers de ar condicionado se espalharem por Bangcoc já havia Chatuchak, um enorme mercado de pulgas realizado no fim de semana. Hoje, vende-se de tudo um pouco: roupas de grife falsificadas, óleos de aromaterapia, vasos e répteis. Dá para se perder facilmente nos corredores estreitos de Chatuchak. Mesmo que não compre nada, a aventura é antropológica.

Uma das mais antigas e confiáveis opções para a hora do almoço fica do outro lado da rua e é chamada de Or Tor Kor. Na frente deste mercado há carrinhos de fruta limpos (algo nada comum); próximo ao estacionamento, uma loja vende a especialidade do norte tailandês, som tam (salada de papaya verde) e frango grelhado (140 baht ou R$ 9,60 a refeição). Ali perto, o Sood Jai Kai Yang está aberto há 30 anos e é uma lenda local. A não ser que sua boca seja feita de aço, peça menos pimenta no som tam (50 baht ou R$ 3,40).

Para relaxar com bom custo-benefício, Touch (thetouch1.com) oferece massages a partir de 300 baht (R$ 20). Há duas unidades limpas e amigáveis em Soi Ruamrudee, no centro. A estação do skytrain mais próxima é Ploenchit.

Mais conteúdo sobre:
Bangcoc, Tailândia, Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.