Nos museus de Londres, pausa para ver - e fazer - arte

Muitos dos cenários usados nas gravações de 'As Aventuras de Paddington' realmente existem e podem ser visitados

Maria Fernanda Rodrigues, O Estado de S. Paulo

09 Dezembro 2014 | 06h00

LONDRES - É no Museu de História Natural que trabalha Millicent, a taxidermista vivida por Nicole Kidman em As Aventuras de Paddington. E é para lá que ela deseja levar o urso – empalhado (conheça a história). Além deste, há outros museus interessantes para despertar a curiosidade da garotada. Confira: 

Museu de História Natural 

Os números do museu são superlativos, como a enorme réplica do esqueleto do diplodoco que recebe o visitante na entrada principal. São 250 anos de história; mais de 5 milhões de pessoas vão lá todos os anos. Em suas salas, vitrines, armários, tanques e frascos há mais de 80 milhões de espécies: 28 milhões de insetos, 27 milhões de outros animais, nove milhões de fósseis – o mais antigo tem 3,5 milhões de anos –, mais de 500 mil pedras e minerais, 3.200 meteoritos e por aí vai. E muitos livros raros. 

Numa visita, podemos voltar 160 milhões de anos na história. Poucos assuntos interessam tanto às crianças quanto dinossauros. A novidade é o esqueleto completo de estegossauro, em exposição numa das entradas do prédio desde a última quarta-feira. O animal tem 150 milhões de anos e é o único em exposição fora dos Estados Unidos. Aos sábados, as filas são enormes, por isso o ideal é ir durante a semana.

Mas nem só de Tiranossauro Rex e tantos outros “sauros”, é feito o museu. Há um modelo em tamanho real de uma baleia azul, suspensa no teto. Um crânio de leão (de 1280-1385), que pertencia ao zoológico da Torre de Londres cerca de 700 anos atrás. Mamute, urso polar, pássaros, borboletas, mamíferos. Há de tudo no prédio vitoriano que, por si só, já valeria a visita. 

Grátis (algumas exposições podem ser cobradas); nhm.ac.uk

Museu da Infância

Inaugurado em 1872, o museu em Bethanal Green serviu de refeitório durante a Segunda Guerra Mundial. A ideia original era que ele preservasse objetos da era vitoriana e ele foi, involuntariamente, se tornando um museu de brinquedos, com doações vindas até da família real. A reinauguração do espaço – já totalmente dedicado à infância – foi em 1974. Não fica tão perto dos pontos turísticos clássicos, mas guarda brinquedos que encantaram gerações de 1600 aos dias de hoje. A coleção de casas de bonecas (são mais de 100) é uma atração à parte.

Grátis; museumofchildhood.org.uk

National Gallery

Museu que tem em suas paredes quadros tão importantes quanto Os Girassóis, de Van Gogh, e Banhistas, de Seurat, a National Gallery não é programa só de adultos. Crianças que visitam o espaço são acompanhadas por educadores que, de forma descontraída, falam sobre o acervo e os artistas. Se houver pouco tempo, visite as primeiras salas, à direita. Ali estão quadros importantes de pintores como Degas, Cézanne, Pissarro, Monet, Manet, Sisley e Renoir.

Grátis; nationalgallery.org.uk

VEJA TAMBÉM: Harry Potter, Peter Pan e Sherlock Holmes saltam dos livros

Tate

O mais descolado dos museus londrinos tem programação especial para os pequenos. Nas férias e fins de semana, monitores distribuem kits com hidrocor e papel e elaboram roteiros que combinam com o perfil e idade da criança. Além das mostras temporárias, os móbiles de Alexander Calder e a escada vermelha de ponta cabeça devem fisgar os menores. No site kids.tate.org.uk, há atividades interativas e a programação familiar atualizada. Vá de metrô até St. Pauls, atravesse o Rio Tâmisa pela Millenium Bridge e faça os fãs de Harry Potter vibrarem. 

Grátis; tate.org.uk 

British Museum

É preciso criatividade para explicar às crianças boa parcela da história da humanidade. Mas o museu consegue entreter os jovens com roteiros gratuitos de 30 a 40 minutos guiados por monitores divertidos, que lançam mão de explicações que transcendem a língua inglesa – quem não fala o idioma também aproveita. Relíquias da Grécia, da Mesopotâmia e múmias egípcias estão no roteiro. Que tal brincar de decifrar hieróglifos? 

Grátis; britishmuseum.org

*A repórter viajou a convite do Visit Britain.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.