nós testamos nossa dica

Em tempos onde se fotografa todas as experiências das férias para compartilhar nas redes sociais em tempo real, os tradicionais cartões-postais perderam espaço. Mas quem desembarca na base inglesa de Port Lockroy, em plena Antártida, não quer perder a oportunidade de enviar um postal com o carimbo do correio local. Foram US$ 2 pelo cartão, mais US$ 2 pelo selo, e missão cumprida. Só não pode ter pressa: o cartão que mandei para minha mãe chegou mais de um mês depois que eu voltei de viagem. Mas isso já era esperado. / ADRIANA MOREIRA

O Estado de S.Paulo

19 Fevereiro 2013 | 02h10

Cartão-postal com

carimbo antártico

Confesso que uma noite de boliche não fazia parte das minhas apostas de entretenimento desde a adolescência. Pois dei uma chance para o desafio das bolas de três furinhos em uma recente visita a Vail, no Colorado: o Bol (bolvail.com) de lá é tão concorrido que você tem de agendar seu horário dias antes. Procura justificada, já que a opção se revelou como uma das mais divertidas numa noite fria na estação de esqui. Além do jogo em si - no fim queria que nossa uma hora (custa US$ 50) fosse duplicada -, o pessoal do bar prepara um mojito dos deuses e deliciosos aperitivos. O ambiente, com design caprichado, é para agradar os modernos: tem iluminação baixa e som de balada comandado por DJ. /BRUNA TIUSSU

Boliche para driblar

uma noite fria

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.