Vítor Marques/Estadão
Vítor Marques/Estadão

Novo complexo é 'parque temático da gastronomia'

São vários os superlativos para definir o novo Fico Eataly World

Vitor Marques, O Estado de S. Paulo

20 Fevereiro 2018 | 03h30

“Disneylândia da gastronomia”, “maior parque dedicado à gastronomia”, “maior parque agroalimentar do mundo”. O que não faltam são superlativos para tentar definir o novo Fico Eataly World, megaespaço de 100 mil metros quadrados dedicado à culinária italiana, que foi inaugurado em novembro, a 20 minutos de Bolonha.

A entrada é gratuita e há ônibus que partem da estação de trem da cidade a cada 30 minutos, por 7 euros (ida e volta). O funcionamento é diário, das 10 horas à meia-noite. 

O projeto envolveu a prefeitura, o governo local e o empresário Stefano Bonaccini, fundador do Eataly, o mesmo de São Paulo, Nova York e outras tantas cidades do mundo. Também são parceiras da iniciativa cerca de 150 marcas italianas. O complexo levou quatro anos para ser construído e teria consumido, segundo jornais europeus, 120 milhões euros (R$ 480 milhões) em investimentos.

Leia mais - O blog Sala Vip também esteve na Fico; veja opiniões 

Criado para estimular o turismo na região, o projeto é ambicioso. Pretende levar 6 milhões de visitantes por ano, sendo 2 milhões vindos do exterior. Aqui, a ideia é promover a gastronomia italiana, enaltecer o hábito de produzir localmente e vender produtos feitos dentro do próprio Fico. O complexo conta com espaço para cultivo de espécies, hortas e estábulo com animais.

Apelido. A sigla Fico quer dizer Fabbrica Italiana Contadina (Fábrica Italiana Camponesa). Mas a palavra em italiano também significa figo ou figueira – um trocadilho esperto, já que “figo” é também gíria local usada como sinônimo de “legal”. 

O Fico tem o mesmo funcionamento que celebrizou a marca Eataly pelo mundo: trata-se de uma enorme supermercado onde se pode comprar ingredientes e produtos diversos, e também um ponto turístico que reúne cerca de 45 opções de alimentação, desde comida rápida com preços a partir de 5 euros até restaurantes sofisticados. 

O espaço me deu a sensação de um supermercado permeado de praças de alimentação como as de shopping centers – um modelo que agrada alguns e incomoda outros. O passeio, contudo, fica mais interessante se você agendar algum dos workshops que ocorrem todos os dias – para fazer massas, pizzas, biscoitos, degustar vinhos, cervejas, aprender jardinagem e mais. Há ainda tours guiados pelo complexo, desde uma visão geral até os específicos para conhecer, por exemplo, a criação de abelhas e a produção de mel. Custam, em média, 20 euros. Agende no site: eatalyworld.it

Mais conteúdo sobre:
Itália [Europa] Bolonha [Itália]

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.