Hyndara Freitas/Estadão
Hyndara Freitas/Estadão

O centro de tudo em Bogotá: La Candelaria

Bairro concentra as sedes dos órgãos oficiais da Colômbia

Hyndara Freitas, O Estado de S. Paulo

17 Outubro 2017 | 04h30

A região mais turística de Bogotá éa central, parte dela conhecida como La Candelaria. No local, está localizada também a região administrativa da cidade, que abriga as sedes dos órgãos oficiais da Colômbia. 

La Candelaria é cor, é história, é pluralidade, é calçada estreita ao lado de rua de paralelepípedo, é casa de escritor famoso dividindo quarteirão com residência de estrangeiros hipsters, é o velho e o novo, ali representado por dezenas de universidades. 

A região merece um dia dedicado especialmente a ela. Uma caminhada no local dura em torno de duas horas, mas vale permanecer mais tempo para tomar um café colombiano, arranhar um portunhol nas quitandas e provar frutas, parar nos carrinhos de vendedores de rua para tomar o tradicional chá de coca, que ajuda a amenizar os efeitos da altitude. 

A prefeitura oferece visitas guiadas a La Candelaria gratuitamente, todos os dias, das 10 às 14 horas. Pode-se escolher entre guias que falam espanhol ou inglês, e o agendamento deve ser feito com ao menos um dia de antecedência no Instituto Distrital de Turismo ( bit.ly/infocandelaria), pela internet, ou pessoalmente na agência, que fica na região.

O bairro foi declarado Patrimônio Nacional em 1963 e, por isso, as coloridas fachadas da maioria das casas e estabelecimentos não podem sofrer alterações. Anteriormente casas de pensadores, artistas e escritores, hoje as residências abrigam hostels e pensões de estudantes, já que é a região com maior concentração de universidades em Bogotá, entre públicas e privadas. Lá, há também casas em que se pode fazer uso de maconha medicinal, legalizada no país. 

La Candelaria também abriga a Biblioteca Gabriel Garcia Marquez, que homenageia o escritor e jornalista colombiano ganhador do Nobel de Literatura de 1982. O local, que conta com mais de 94 mil volumes, funciona todos os dias e tem entrada gratuita. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.