O colorido autêntico da pacata Vientiane

Aninhada numa curva do Rio Mekong, Vientiane, no Laos, é um lugar onde monges em túnicas cor de laranja superam o número de turistas, e onde o horizonte é tomado por tetos em estilo colonial francês e templos dourados. Pelas ruas poeirentas da capital você tem mais chances de ver um Fusca bem polido estacionado do que num congestionamento. E no centro da cidade, borboletas e passarinhos flutuam sob as árvores.

Naomi Lindt, New York Times

10 Abril 2012 | 03h08

 

Mas com novos voos internacionais, vários projetos comerciais e de infraestrutura, bem como um crescente número de restaurantes e cafés cosmopolitas, Vientiane está mudando rapidamente. Agora é tempo de explorar os encantos de pequena cidade que a capital ainda oferece, antes de abraçar de vez o mundo moderno.

 

Noite. Assim que a noite cai, os moradores de Vientiane marcham para o parque Chao Anouvong, uma área de 150 mil metros quadrados que mescla grama e concreto às margens do Rio Mekong. Você pode se juntar a eles, seja em caminhadas refrescantes e na prática do tai chi chuan, ou então seguir a multidão mais desencanada. Mochileiros com calças largas e bijuterias ficam deslumbrados com o belo pôr do sol e o preço baratíssimo da cerveja local Beelao, servida em quiosques ao ar livre. Para um happy hour mais sofisticado, o Spirit House (thespirithouselaos.com) prepara excelentes coquetéis com Martini e frutas locais a partir de 30 mil kips (R$ 7).

 

Depois de abrir o apetite com os drinques, é hora de forrar o estômago. A moderna cozinha do Laos servida no restaurante Makphet não é somente viciante, como também tem responsabilidade social – por meio da ONG Friends International, treina jovens carentes para trabalhar com alta gastronomia. Num espaço alegre feito com tijolos e madeira e pinturas de crianças nas paredes, aprecie pratos como o Ancient Fish, peixe de rio frito com raspas de limão, tamarindo e pedaços de manga verde, por 75 mil kips (R$ 17).

 

Vientiane pode aparentar ser um pouco sonolenta após o jantar, mas as coisas estão a todo vapor no Lao Bowling Center, onde é possível jogar partidas de boliche por 12 mil kips (R$ 2,70) até altas horas da madrugada. As pistas são meio deformadas, as bolas não são lá tão lisas e as máquinas que reorganizam os pinos parecem ter vida própria, mas a atmosfera é difícil de ser batida. Locais entusiasmados aplaudem quando os pinos caem. Moças vestindo sarongues impressionam ao jogar melhor – e beber ainda mais – que seus namorados.

 

Artes e aromas. No dia seguinte, acorde cedo para admirar a singularidade dos artesanatos do Laos. Uma primeira parada essencial é no American Carol Cassidy’s Lao Textiles (laotextiles.com), que estoca incríveis peças regionais manufaturadas. Caminhe por ali e veja artesãos fazendo mágica com as próprias mãos. Já o T’Shop Lai Gallery (laococo.com/tshoplai.htm) é uma loja de cosméticos gerenciada por franceses, e que vende óleos de massagem, sabonetes e xampus de coco e lima kaffir. A Camacrafts (camacrafts.org) oferece carteiras de viagem e bolsas bordadas feitas pelo povo Hmong – e o melhor, a preços justos.

 

Depois, explore as quietas vias de Vientiane de bicicleta, que pode ser alugada pela cidade por 38.600 kips (R$ 9) por dia. Comece rumo ao sudeste na Setthathirat Street, com suas suntuosas vilas coloniais, antes de virar à esquerda na Lanexang Avenue. Você vai sair no Patuxai Arch, uma versão do Arco do Triunfo parisiense. Suba as escadas até o terraço para uma vista panorâmica da cidade.Continue por mais 3 quilômetros até o Pha That Luang, cúpula gigante toda em ouro. Dizem que se deve dar três voltas nela para ser agraciado por Buda. Depois siga para o Wat Sisaket, templo construído há 190 anos e um dos poucos que sobreviveram à tomada siamesa da cidade, em 1828.

 

Para relaxar depois do exercício, que tal um spa? Escondido numa área residencial atrás do Hotel Beau Rivage Mekong, o Papaya Spa (papayaspa.com) é o melhor lugar da cidade para rejuvenescer no melhor estilo do Laos. Nas salas de tratamento espalhadas por um jardim cheio de pássaros coloridos, árvores frondosas e pés de papaia, massagistas aplicam uma intensa variedade de tratamentos, tanto de apertar, quanto de alongar – a partir de 140 mil kips(R$ 32).

 

Cozinha cosmopolita. A cena gastronômica de Vientiane é surpreendentemente internacional, com opções de culinária italiana, indiana, tex-mex e até coreana. Também há vários cantinhos japoneses, dos quais o melhor é o YuLaLa Cafe, na Hengboun Street. Os donos, um jovem casal de Kyoto, Hisaya e Aya Okada, vão escutando Bach e Bob Dylan enquanto cozinham para os clientes, que sentam em tatames no chão. Desfrute de pratos como fatias suínas com shitake e cogumelos enoki (48 mil kips ou R$ 11) ou uma salada de rabanete e frango marinado com cebola e shoyu (42 mil kips ou R$ 9,50).

Os franceses deixaram o país há mais de 50 anos, mas seu legado permanece em cardápios estrelados da cidade. Comece pelo bistrô chique L’Adresse de Tinay (atrás do templo Wat Ong Teu), cujo menu inclui rolinhos de queijo de cabra com tomate seco e confit de cereja (71 mil kips ou R$ 16).  

 

Lembranças da Guerra do Vietnã

Entre 1964 e 1973, durante a Guerra do Vietnã, os Estados Unidos arremessaram mais de 2 milhões de toneladas de bombas sobre o Laos, fazendo dele o país mais bombardeado percapita da história. Cerca de um terço desses explosivos nãodetonaram e continuam a contribuir com as mais de 50 mil mortes causadas quase 50 anos após o fim do conflito. Vale a pena entender o trabalho da Cooperative Orthotic and Prosthetic Enterprise (copelaos.org), que ajuda pessoas prejudicadas pelo conflito com assistência médica, próteses e outras iniciativas. Na sede da organização, é possível assistir a documentários, ver instalações artísticas - como a que representa o bombardeio - e mostras interativas que ajudam a entender a conturbada história do conflito no país. /N.L.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.