Arte|Estadão
Arte|Estadão

O homem que visitou 312 países

miles@estadao.com

Mr. Miles, O Estado de S. Paulo

15 Março 2016 | 03h00

Ainda da Ásia, mas agora da Indonésia, onde tem outro afilhado aniversariando, nosso incansável viajante manda as notícias desta semana.

Gostaria de saber se o homem mais viajado do mundo parou de viajar, pois sempre que leio sua coluna, vejo que ele esteve em 183 países e 16 territórios ultramarinos. Não muda nunca?

Roque Risarto, por e-mail

Well, my friend: atendendo ao seu pedido e ao de muitos outros leitores que não compreenderam minhas respostas anteriores, vou atualizar o número de países que visitei: foram 312! Sim: são muito mais do que os países atualmente existentes. Tomei a liberdade, if you don’t mind, de incluir países que já existiram várias vezes em realidades diferentes. Por exemplo: fui ao Zimbábue e à Rodésia; ao Alto Volta e a Burkina Faso; à Iugoslávia e à Sérvia, à Birmânia e à Mianmar, ao Ceilão e Sri Lanka and so on

Foram várias dezenas de países que tive o prazer de visitar em situações diferentes. Geograficamente, eles ficam no mesmo lugar (com ligeiras variações), mas visitar um deles foi uma experiência diferente da de visitar o outro. Do you know what I mean?

As condições políticas, institucionais, sociais e demográficas mudaram do mesmo modo que os países mudaram de mandantes. A população, quase sempre, permaneceu a mesma, mas mesmo ela, however, sofreu mudanças de status – para pior ou para melhor –, que, for sure, justificaram meu retorno, com alegrias e decepções.

Vou assumir, agora, esse número, para evitar questionamentos futuros. Mesmo que ele talvez tenha algum erro, porque, apesar de minha memória e minha coleção de 36 tomos de passaportes encadernados, é possível que eu tenha esquecido de alguma passagem, já que, as you know, minha vida é viajar.

Relembro que comecei cedo, depois que herdei inesperada fortuna de uma contraparente que jamais cheguei a conhecer. Shame on me: imprevidente, gastei tudo. Mas, at least, gastei meu dinheiro com o que deve ser gastado. Conhecendo e ganhando, dia a dia, mais tolerância e discernimento. Anos mais tarde, contudo, eu já havia me tornado sócio remido de oito programas internacionais de milhagem que me permitem, ainda hoje, viajar quando quero pelo planeta. Também fiz, thank God, inúmeros amigos, padrinhos e compadres no mundo dos hotéis, pousadas e restaurantes – razão pela qual, como muitos sabem, jamais forneço dicas pontuais, de modo a não magoar pessoas queridas around the world.

Não sou um colecionador de países e nem ponho agulhas em mapas para registrar minha passagem – um episódio, by the way, irrelevante para as outras pessoas. 

O número que consta nessa coluna era apenas uma ficção para dar noção de grandeza – e foi, of course, inúmeras vezes contestado por queridos viajantes que estiveram em uma quantidade ainda maior de lugares.

Quero lembrar que esse número só surgiu nos anos 60, quando fui entrevistado por uma linda jornalista do San Francisco Chronicle. Contei muitas de minhas histórias para a bela repórter e ela quis saber em quantos países eu havia estado. É claro que eu não tinha qualquer número para mencionar. Mas, de modo a poder marcar um segundo encontro, garanti a ela que iria pesquisar com denodo. Três dias depois surgi com um número suficientemente grandioso para convencê-la a passar a noite comigo. Essa é a única realidade.

Agora, entretanto, pesquisei e tenho essa nova informação: 312 países. É muito. Depende do ponto de vista. Gosto muito de tê-los visitado. But, unfortunately, confesso que pelo menos cem deles só conheço superficialmente. Ainda vou voltar.” 

MR. MILES É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E  16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS.

Mais conteúdo sobre:
Mr. Miles

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.