Marcelo del Pozo/Reuters
Marcelo del Pozo/Reuters

O Museu Nacional e os motivos para viajar

‘Lugares que abandonamos deixam de ser corpos vivos de nosso mundo', diz Mr. Miles

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

11 Setembro 2018 | 04h30

A propósito do incêndio que acometeu o Museu Nacional, no Rio de Janeiro, Mr. Miles manifestou sua solidariedade. Mas lembrou que, infelizmente, todos os dias o mundo perde – por incúria ou descaso – grande parte de seu patrimônio. “Esse triste fenômeno está ligado, my friends, ao fato de que dizemos estar sempre atentos àquilo que jamais damos atenção. De todas as centenas de amigos brasileiros que tenho – a nice team of brilliant people! –, apenas um disse-me ter visitado o grande museu.

Lugares que abandonamos, unfortunately, deixam de ser corpos vivos de nosso mundo (exceto para quem os utiliza para fins de pesquisa, sempre poucos, frágeis e sonhadores). Não se sustentam, não são cuidados (por falta de verbas e carinho e, frequently, os visitantes vão-se embora porque percebem esse descaso). Ainda assim, of course, estou triste, como todo o resto do chamado mundo-que-se-importa.

Anyway, hoje aproveito este espaço para, conforme anunciado na semana passada, publicar excertos dos pensamentos de meus leitores sobre o tema “Por que você viaja?”, que propus na coluna da última semana. Vamos a algumas das repostas: 

 

Luiz Roberto Costa

O principal motivo para viajar deveria ser simplesmente viajar, experimentar, cair no mundo desconhecido e desvendá-lo, sem quaisquer outras preocupações senão a experiência do desconhecido. Nossa própria experiência do mundo pode ser considerada como uma viagem, pois chegamos a ele sem nada conhecer e vamos aprendendo a conhecê-lo aos poucos. Viajar, portanto, é uma fantástica experiência que se aprende com a prática. Como dizia Aristóteles, o hábito aperfeiçoa a obra e faz com que ela fique melhor a cada dia. 

 

Ana Paula Thome

Viajo porque sempre gostei do diferente, meus pais sempre me levaram para lugares diferentes, e não só para uma casa em algum lugar. Não tenho tempo para o pequeno e mesquinho. Minha alma pode se espalhar pelo mundo e em comunhão com pessoas que assim pensam. Meu mundo pode caber em mim e se expandir para onde meu coração disser. Minha alma é livre e se aquieta onde ela se sente confortável e feliz.

Valeria Portela

Fiquei surpresa ao saber que as pessoas viajam por questões práticas. Que lástima! Minha principal inspiração é ter experiências gastronômicas com outros povos. Meu paladar registra os momentos que jamais se apagam com o decorrer dos anos enquanto as imagens se esvanecem.

Ernesto Sens

Por que viajar? Pelo mesmo motivo que me leva a ler sua coluna no Estadão todas as terças-feiras. 

Cristina Paciuli

Conheço, felizmente, 72 países – não tantos como o senhor, é claro, mas muitos para uma professora de História. Viajo porque tenho uma curiosidade insaciável de conhecer o mundo, seus diversos povos, aspectos, sua cultura, sua história. Acho que herdei isso de meu pai, que não teve a oportunidade de sair do Brasil, onde nasceu, mas conheceu o mundo pelos livros. No meu caso, foram surgindo oportunidades e eu fui as agarrando. As viagens preenchem minha vida e cada uma delas descortina mundos maravilhosos.

Paulo Rodrigues Andrade

Viajo porque amo descobrir novos lugares e conseguir ver a história da humanidade de forma vívida ao visitar lugares antigos; amo ouvir o som de outras línguas nas vozes de outras pessoas; de comer comidas estranhas às nossas refeições diárias, ver como se vive, como se trabalha e como o dia acontece em outros lugares do mundo. 

Heloisa Coelho

Viajo para contemplar a vastidão deste nosso pequeno mundo e lembrar que nossos problemas são pequenos diante de tanta beleza e diversidade. Viajo para ter o “UAU!” que nossa rotina muitas vezes não nos permite. Viajo para sentir a vida. 

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO. ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E  16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS. SIGA-O NO INSTAGRAM @MRMILESOFICIAL

Mais conteúdo sobre:
Mr. MilesturismoMuseu Nacional

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.