Ricardo Freire/Estadão
Ricardo Freire/Estadão

O Piauí dá praia

Os 60 quilômetros de costa do Piauí são bem recortados e oferecem praias deliciosas. Apenas duas delas, ambas em Luís Correia, são muito ocupadas: Coqueiro (reduto da elite teresinense) e Atalaia (mais popular). As outras têm apenas dois tipos de frequentadores: pescadores e... kitesurfistas.

Ricardo Freire, O Estado de S. Paulo

23 Junho 2015 | 00h00

Chegar está mais fácil – desde meados de 2014, a Azul tem três voos semanais entre Fortaleza e Parnaíba, às quintas-feiras, sábados e domingos.

Parnaíba: Delta e caranguejada. Passe os primeiros dois ou três dias em Parnaíba. Ao chegar, vá assistir ao pôr do sol na praia da Pedra do Sal, a 15 quilômetros. Na volta, encomende uma torta de caranguejo no Caranguejo Expresso (86-3323-9653), que avisa por telefone quando fica pronto. Depois tome um sorvete no Araújo, no Porto das Barcas, à beira-rio.

No segundo dia, escolha entre os dois tipos de passeio pelo Delta do Parnaíba: de chalana, a R$ 60 por pessoa, ou em voadeira fretada, que custa entre R$ 300 e R$ 450. Peça para almoçar na pousada Casa de Caboclo, na Ilha das Canárias, em território maranhense. O terceiro dia pode ser passado num bate-volta ao Parque Nacional das Sete Cidades, a 200 quilômetros. 

A hospedagem mais charmosa da cidade é a Casa de Santo Antônio, que restaurou um casarão antigo; os quartos ficam numa ala nova e a piscina está à sombra de uma árvore frondosa. Querendo ficar na praia, a Vila Itaqui e a Casa Della são redutos de kitesurfistas em Luis Correia.

Barra Grande: charme e kitesurfe. A 60 quilômetros de Parnaíba, Barra Grande combina o ambiente rústico de um vilarejo de pescadores com o charme cosmopolita trazido pelo kitesurfe. A praia é de tombo (algo raro no litoral voltado para o norte) e proporciona um banho gostosíssimo. À diferença da vizinha Luís Correia (e também do Ceará), o tráfego de carros pela areia é terminantemente proibido. Você é levado de jegue até a foz do rio, onde embarca numa canoa para visitar uma colônia de cavalos marinhos.

Há bons restaurantes, como o Manga Rosa (onde a cidade se encontra para jantar) e o La Cozinha (com cardápio mais refinado). De dia, o point é o bar de praia da pousada BGK; à noite, o bar Bandoleiros.

Se puder, cacife a Pousada Chic, que é uma das mais elegantes do litoral brasileiro. A BGK tem três categorias de acomodações – de chalés de palafitas a quartos mais simples. A Rosa dos Ventos oferece a melhor relação custo-benefício.

Mais conteúdo sobre:
Ricardo Freire

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.