Rebecca Blackwell/AFP
Rebecca Blackwell/AFP

Pan-Americano 2015: o que fazer em Toronto durante a competição

Não são só os jogos – um aquecimento para a Olimpíada de 2016 – que movimentam a cidade. Antes ou depois das partidas, relaxe nos parques, cante nos shows e aproveite o agito do verão

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

07 Julho 2015 | 01h10

Falta pouco mais de um ano para a Olimpíada do Rio, mas os Jogos Pan-Americanos, que começam sábado em Toronto, podem ser um bom aquecimento esportivo. A competição, com 48 modalidades, ocorre até 26 de julho e, de 7 a 15 de agosto, é a vez do Parapan. Ainda há ingressos (a partir de 20 dólares canadenses ou R$ 49; toronto2015.org), e, entre uma partida e outra, vale curtir a cidade canadense, repleta de atividades ao ar livre nesta época do ano. Confira dicas abaixo e no site oficial (toronto.ca).

ESPECIAL: Fique por dentro de tudo o que acontece no Pan

ESPORTES

Hall da Fama do Hóquei

A maior paixão canadense tem um museu próprio, que abriga o maior acervo de hóquei do mundo. Fundado em 1943, ocupa a antiga sede do Bank of Montreal, construído no fim do século 19 no Financial District. A coleção inclui máscaras usadas por goleiros em partidas famosas e uma réplica da Stanley Cup, o troféu dado ao campeão da liga nacional. Há atrações interativas: é possível testar seus conhecimentos ou apenas se divertir enfrentando versões virtuais de grandes jogadores. Desde 12 dólares (R$ 30); em hhof.com.

 

Rogers Centre

Outro esporte queridinho dos canadenses é o beisebol. Um dos estádios mais modernos do mundo, o Rogers Centre, em Harbourfront, tem teto retrátil e capacidade para até 70 mil pessoas – será ali a cerimônia de abertura do Panamericano, sexta-feira. Se quiser assistir a uma partida, aproveite que o principal campeonato local, o MLB, está rolando e compre ingressos pela internet (desde 18 dólares ou R$ 45). Outra opção é agendar um tour guiado (10 dólares ou R$ 25); rogerscentre.com.

ARTE E ARQUITETURA

CN Tower

Marco da cidade e ponto turístico obrigatório, a torre de 553 metros de altura fica ao lado do Rogers Centre – e ganha iluminação especial à noite. Além de observar a cidade do alto (35 dólares ou R$ 87), há atrações extras. No Edgewalk, os corajosos dão uma volta do lado externo da torre principal, a 356 metros de altura (195 dólares ou R$ 485). Mais: cntower.ca.

Royal Ontario Museum

Com 101 anos de idade, o museu de história natural é um dos maiores da América do Norte: tem 40 galerias e um acervo com mais de 6 milhões de espécies. Entre os destaques, estão os esqueletos de dinossauros que se movem. Sua curiosa fachada mescla o antigo e o novo: como um grande caco de vidro, a extensão mais recente atravessa o velho muro original. Ingressos desde 7 dólares (R$ 17). Mais: rom.on.ca.

PASSEIOS

Cataratas de Niagara

A impressionante queda d’água que separa Canadá e Estados Unidos fica a 130 quilômetros do centro de Toronto. As águas despencam de 52 metros de altura, formando uma nuvem densa ao redor. Há diversas opções de tour, que incluem ônibus para dois dias e passeios variados (a partir de 54,95 dólares; R$ 136). Mais: niagaraparks.com.

 

Toronto Islands

Um conjunto de ilhas no Lago Ontário, criadas a partir de um furacão em 1858, proporcionam uma vista incrível da cidade em dias ensolarados. Para chegar lá, são 15 minutos de balsa (7,25 dólares ou R$ 18). Vá preparado para um piquenique e curta o ambiente com uma bicicleta alugada ou remando num caiaque. Há mais para ver: o Hanlan's Point tem quadra de tênis e uma praia onde o uso de roupas é opcional.

AR LIVRE

O bairro The Beaches é o mais procurado para quem busca se esticar nas areias de Woodbine a Kew Beach. Dali, caminhe até o Kew Gardens, parque de 8,4 hectares com rinque de patinação, piscina olímpica pública e boliche na grama. O local também recebe festivais gratuitos no verão, como o Beaches International Jazz Festival, de 10 a 26 de julho. Mais: beachesjazz.com. O parque mais famoso de Toronto, no entanto, é o High Park, repleto de cerejeiras. A novidade é a reabertura do castelo Jamie Bell Playground, destruído em 2012 após um incêndio. Veja mais opções de parques em oesta.do/parquesdetoronto.

COMPRINHAS

O Eaton Centre (oesta.do/eaton-centre) é o maior shopping da cidade, com marcas como Apple, Lacoste e Victoria’s Secret. Para focar em design, siga para as lojas da Queen Street. Bloor-Yorkville, antiga referência da contracultura, hoje guarda grifes como Prada e Holt Renfrew – apaixonados por livros podem aproveitar para dar um pulo em uma enorme unidade da livraria Indigo. Já os alternativos devem ir direto ao Kensington Market (kensington-market.ca). A Augusta Avenue é bem parecida com a rua homônima em São Paulo, com grafites nos prédios, lojas criativas e brechós.

COMER E BEBER

The Annex

O bairro mais boêmio da cidade, próximo à Universidade de Toronto – fundada em 1827, é a maior do Canadá. A Bloor Street reúne bares, pubs e restaurantes.

 

Chinatown

É fácil reconhecer a entrada do bairro chinês, entre as avenidas University e Spadina: um enorme portão vermelho, com dragões. São várias lojas e restaurantes de preços atraentes, como o Lucky Red. O local tem a própria cerveja, a Lucky Budha, cuja garrafa de 300 ml tem formato de Buda (5 dólares ou R$ 12). Há outras “towns” para se fartar na cidade: Little Portugal, Little Italy, Greektown...

Mais conteúdo sobre:
Toronto Pan-Americano Canadá

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.