O que vale e o que não a pena em Mendoza

VALE A PENA

MÔNICA NOBREGA, O Estado de S. Paulo

14 Outubro 2014 | 11h53

Dar-se um luxo 

Se não estiver hospedado, passe uma manhã no Cavas Wine Lodge. O pacote com café da manhã, massagem e esfoliação no spa, mais almoço harmonizado com vinho custa 1.300 pesos (R$ 367)

Dividir a estada

Fique três noites em um hotel na capital para flanar pelo centro, visitar Maipu em um dia e o Vale do Uco em outro. E duas em um hotel rural como o Entre Cielos, para curtir Luján de Cuyo e descansar

NÃO VALE A PENA

Alugar carro

Péssima ideia em um destino onde a regra é consumir bebida alcoólica. Prefira agendar tours privados de um dia inteiro, que incluem carro com motorista e visitas, por cerca de US$ 200 por pessoa. Outra opção é contratar um remis, carro com motorista a preço fixo (desde US$ 100 por dia, em média). Peça indicação ao hotel

DEPENDE

Encarar um rafting

Só no verão. No frio, as águas do Rio Mendoza a 5 graus são torturantes - sim, eu fiz isso. Rio Aventura e Argentina Rafting operam o passeio, desde 750 pesos (R$ 212)

Fazer aulas de gastronomia

Disponíveis em várias vinícolas, não incluem fundamentos básicos. São mais bem aproveitadas por quem já tem afinidade com a cozinha

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.