O verde, o mar e a memória em um giro de norte a sul

A 1h30 de trem da estação de Hua Lamphong, em Bangcoc, chega-se a Ayutthaya, capital do Sião entre 1360 e 1767. Reconhecida em 1991 pela Unesco como patrimônio histórico da humanidade, as ruínas se estendem por quase toda a cidade, e sugerem com suas torres relicárias e monastérios imponentes o esplendor ancestral da antiga cidade comercial e diplomática.

BANGCOC, O Estado de S.Paulo

09 Setembro 2014 | 02h07

" SRC="/CMS/ICONS/MM.PNG" STYLE="FLOAT: LEFT; MARGIN: 10PX 10PX 10PX 0PX; De Bangcoc, há ao menos três caminhos a tomar: a visita às cidades históricas de Sukhothai, Ayutthaya e Thonburi na região central; a exploração de parques florestais e costumes locais ao norte, a partir de Chiang Mai, Chiang Rai e Pai; ao sul, as centenas de ilhas e praias costeiras no Mar de Andaman ou no Golfo da Tailândia.

Chiang Mai, a segunda maior cidade da Tailândia, é uma alternativa urbana à vertigem labiríntica de Bangcoc, a 700 quilômetros de distância. Antiga capital do reinado Lanna, incorporada a Sião no final do século 18, o centro da cidade ainda se encontra delimitado pela fortificação defensiva, os fossos e os portões erigidos para conter as invasões mongóis.

Com intensa vida noturna e sede de diversas escolas de gastronomia, meditação e massagem, Chiang Mai é um dos destinos preferidos durante o festival de águas conhecido como Songkran, o ano novo tailandês. Comemorado ao longo de três dias, em abril, o feriado inaugura também a estação das chuvas. Como ritual de purificação, a cidade converte-se em um lúdico campo de batalha, com baldes e pistolas d'água que refrescam os habitantes das elevadas temperaturas desta época do ano.

De Chiang Mai pode-se alugar uma scooter e visitar o Parque Nacional de Doi Suthep, explorar as cavernas de Doi Chiang Dao ou seguir ao vilarejo de artesanatos de Pai, seguindo pela famosa estrada das 762 curvas. Mas tenha cautela: as placas são em tailandês e dirige-se na mão inglesa. A vantagem é parar onde se tem vontade. A caminho do vilarejo, o parque de Doi Pha Hom Pok oferece caminhadas em trilhas entre cânions e termas com piscinas a 40 graus.

Nos distritos de Chiang Mai e Chiang Rai, subsiste uma rica variedade de grupos étnicos ameaçados pela centralização do governo e a indústria do turismo. Organizações internacionais ocupam-se da preservação dos Lisu, Lahu, Meo e Karen, esta última uma confederação de várias tribos que migraram da região de Mianmar, mais conhecida pelas "mulheres girafa", que utilizam pesados anéis de latão ao redor do pescoço.

Faixa de areia. As praias ao sul são a principal razão pela qual recomenda-se visitar o país entre os meses de dezembro e maio, com suas temperaturas mais amenas e baixo índice de chuvas. No Golfo da Tailândia, Ko Pha-Ngan recebe a Festa da Lua Cheia (fullmoonparty-thailand.com), realizada uma vez por mês e popular entre o público jovem e adolescente, onde DJs se sucedem e a areia da praia se converte em pista de dança e palco de malabarismos pirotécnicos.

As festas prosseguem em Ko Samui, ilha de areias finas e águas de esplendor verde-azulado. A vizinha - e mais tranquila - Ko Tao é o reduto de mergulhadores e escolas de formação, apresentando um ecossistema subaquático de raias fosforescentes, tubarões-baleia e enormes cardumes. Pesquise: o preço para um dia de mergulho recreativo fica em torno de R$ 75.

No Mar de Andaman, fora do perímetro frequentado pelos turistas, ainda se pode reconhecer os sinais da destruição do tsunami que dizimou milhares em Ko Phi Phi, há dez anos.

O arquipélago ficou conhecido pelas filmagens de A Praia (mais informações no quadro da página 8), longa-metragem estrelado por Leonardo Di Caprio no ano 2000, criticado por ambientalistas por terem remodelado espaços de preservação ambiental para que se adequassem às filmagens.

Há passeios de dia inteiro, bate-volta, desde Phuket, a uma hora de distância. Vale para quem tem pouco tempo, mas o ideal é se hospedar em Ko Phi Phi Don e fazer tudo com calma, fugindo das multidões.

Phuket é a maior e mais continental das ilhas tailandesas. Aos que buscam um cenário mais rústico e preservado, a praia de Tom Sai, em Rai Leh, na província de Krabi, é também um reduto de alpinistas, com suas escarpas verticais e paredões rochosos. A maioria dos chalés não conta com ar condicionado, a energia é cortada durante o dia, mas há quem troque a comodidade pelo sossego de uma praia praticamente intocada. / T.N.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.