Obras românticas e renascentistas têm novo espaço no Prado

As sete salas que o museu inaugurou na semana passada abrigam pinturas espanholas[br]dos séculos 12 a 16

O Estado de S.Paulo

30 Março 2010 | 01h53

Mais de 120 obras do Romantismo e do Renascimento na Espanha estão de casa nova no Museu do Prado, em Madri. Afrescos, retábulos e pinturas feitas entre os séculos 12 e 16 ganharam sete galerias específicas que foram abertas ao público na sexta-feira.

As novas salas ficam no térreo do edifício Villanueva, em torno da chamada Rotonda Baja de Goya ? de onde se pode ver os fundos de escultura clássica do museu. Foram ampliadas, restauradas e se conectam graças a corredores internos, que também facilitam a circulação dos visitantes e a entrada de luz natural no interior dos ambientes.

Grande parte da coleção exposta nestas galerias nunca havia sido exibida. São peças que chegaram ao museu no século passado por doações ou aquisições. Entre elas destacam-se a Virgen del Sufragio (1517) do artista Pedro Machuca (1490?1550), e também a recém-adquirida Nacimiento de la Virgen (1603), de Luis de Morales.

Obras já bem conhecidas passaram por minucioso processo de restauro e agora estão em sua melhor forma. A recuperação mais ambiciosa foi a dos afrescos da capela românica de Vera Cruz de Maderuelo, realizada em colaboração com o Instituto do Patrimônio Cultural da Espanha (IPCE).

O valor do ingresso do Museu do Prado é 8 (R$ 19), mas você pode economizar deixando a visita para o fim do dia. A entrada é gratuita de terça-feira a sábado, das 18 às 20 horas, e aos domingos, das 17 às 20 horas. Mais no www.museodelprado.es.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.