CESAR BRUSTOLIN/SMCS
CESAR BRUSTOLIN/SMCS

Oito formas de descobrir Curitiba

A Lava Jato voltou os olhos do País para capital do Paraná, mas são os trilhos e mesmo os ônibus turísticos que mostram o que a cidade tem de melhor. Monte seu roteiro, sem esquecer dos clássicos

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h50

Já era quarta-feira quando surgiu a chance de passar um fim de semana em Curitiba, saindo de São Paulo na sexta-feira à noite e retornando no domingo. Eu mal conhecia a capital paranaense. Havia passado apenas uma tarde na cidade, a caminho de Santa Catarina, no fim da década de 1990, e o desejo de voltar com calma permaneceu.

Até porque, desde daquela época, Curitiba mudou. Para começar, desde que a Operação Lava Jato teve início, a capital paranaense não sai mais do noticiário. Surfando na onda da visibilidade, foram criados um Tour da Lava Jato (leia mais em bit.ly/tourdalavajato) e um escape room – aquelas salas temáticas onde é preciso desvendar o mistério para conseguir sair – cuja história tem elementos de corrupção envolvendo uma empresa de engenharia (soa familiar não é mesmo?). Agende em puzzleroom.com.br.

Mas nem de longe Curitiba se limita à Lava Jato, tampouco mantém um clima pesado, como se poderia imaginar, ao menos turisticamente falando. Há muitas atrações para curtir a cidade. Além disso, valeria visitá-la apenas para fazer algum de seus passeios de trem, que ganham novos roteiros e atrações a cada ano. O mais famoso deles, a litorina de luxo que leva de Curitiba à simpática Morretes, é imperdível para quem gosta dos trilhos. 

Fácil de chegar – o voo desde São Paulo leva 1 hora; de carro ou ônibus, são 6 horas –, Curitiba cabe muitíssimo bem num fim de semana. Não vai dar para ver tudo em dois dias, claro. Para isso, avalie a possibilidade de ir num feriado prolongado. Mas, fazendo escolhas, dá para combinar bons passeios sem ter de ver tudo com pressa. 

Uma dica – na qual embarcamos – é fazer o city tour da Serra Verde Express, o maior receptivo da cidade, que dá um gostinho dos principais pontos turísticos numa tarde, ao longo de 3h30. É possível comprá-lo à parte (a partir de R$ 72; bit.ly/toursserraverde) ou então fechar um pacote para o fim de semana já com hospedagem e aéreo – a operadora BWT ( bwtoperadora.com.br) tem opções como o Curitiba de Luxo (R$ 1.168 por pessoa, incluindo aéreo, passeio de trem, city tour, duas diárias com café da manhã e serviço de transfer). Indo por conta, considere comprar o tíquete do Linha Turismo ( bit.ly/onibuslinhatur; R$ 45), o bom ônibus hop on/hop off da cidade. 

A seguir, confira os passeios indispensáveis de Curitiba, seja para incluir no pacote ou fazer por conta própria. 

Mais conteúdo sobre:
Brasil Paraná Curitiba Curitiba [PR] Viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

O sol de inverno no fim de tarde fez com que a visita ao Jardim Botânico de Curitiba fosse ainda mais prazerosa. Para que a identificação seja imediata, digo logo que se trata do principal cartão-postal da capital paranaense – nenhuma foto de Curitiba é tão simbólica quanto a da estufa de estrutura metálica e vidro, com três abóbadas transparentes e canteiros floridos em frente, cuja construção foi inspirada no Palácio de Cristal de Londres. 

Os 178 mil metros quadrados abrigam jardins feitos à moda de outro país europeu, a França, além de uma fonte. Os canteiros são geometricamente organizados e dão uma sensação curiosa de harmonia e preguiça – não à toa, casais e famílias aproveitam para estender o corpo e relaxar a alma no gramado, enquanto crianças rolam morro abaixo. Nos fins de semana, é passeio concorrido e costuma ficar bem cheio.

O Jardim Botânico abre diariamente das 6 horas às 19h30 (no horário de verão, estende-se até as 20 horas) e tem entrada gratuita. Tanto o city tour da Serra Verde Express quanto o ônibus da Linha Turística passam por ele. Mais: bit.ly/jardimbotanicocuritiba

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

A lembrança que guardava da Ópera de Arame era a de um lugar bonito, mas coberto pelo nevoeiro. Vê-la fora do cenário cinzento, portanto, era minha maior expectativa. E fui atendida.

O passeio não demora muito se você quiser conhecer apenas o teatro feito de estrutura tubular e teto transparente. Há um café na parte interna e algumas exposições – na minha visita, uma pequena mostra de bicicletas antigas. Fique de olho em sua agenda de shows, que até o fim deste ano tem confirmados Jorge Vercillo, NxZero e Alceu Valença ( facebook.com/operadearamepr).

Ao lado da Ópera está o Parque das Pedreiras, onde funciona o Espaço Cultural Paulo Leminski. Apesar de não ser aberto à visitação no dia a dia, recebe shows – John Mayer se apresenta por lá em outubro. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

Curitiba é, cada vez mais, a capital onde o apito do trem resiste e se reinventa no turismo. Além do clássico (e imperdível) trajeto sobre trilhos até Morretes, operado pela Serra Verde Express, a cidade acaba de ganhar outros dois passeios, o Expresso Classique e o Trilhos e Estrelas, lançados este ano em comemoração aos 20 anos da operadora. 

O Expresso Classique revive o glamour da década de 1930, fazendo um roteiro noturno dentro da própria cidade. O jantar, seu ponto alto, é servido dentro do trem, que também conta com música ao vivo, dança e charutaria (R$ 279; bit.ly/expressoclassique). Já o Trilhos e Estrelas terá sua primeira edição no dia 30 de setembro e levará os turistas de Curitiba a Morretes num trem de categoria turística, sempre com a participação especial de um artista na viagem – a primeira convidada será a cantora e youtuber Sofia Oliveira.

O pacote inclui almoço e show do artista em Morretes, com retorno rodoviário à capital (desde R$ 390 a inteira; bit.ly/trilhosestrelas). 

Mata Atlântica. O clássico passeio de trem até Morretes dura um dia inteiro e pode ser feito de muitas formas. A primeira delas é a bordo de vagões simples, com passagens para qualquer dia da semana, ida e volta ou só um dos trechos – os valores por trecho começam em R$ 99 (adulto). Também nos vagões mais simples é possível comprar o combo que dá direito a serviço de bordo e city tour por Morretes (incluindo almoço) e por Antonina, outra cidadezinha charmosa na costa do Paraná. Neste caso, há as opções classe turística, classe executiva e litorinas – desde R$ 269 adultos (crianças e idosos têm desconto). 

Cometemos o pecado da luxúria e embarcamos em uma das litorinas, o que valeu muitíssimo a pena, apesar do preço salgado. São duas opções, a Litorina Luxo e a Litorina Curitiba. Ambas saem aos fins de semana e feriados, mas têm configurações diferentes dentro dos vagões, dando mais ou menos privacidade. 

A Litorina Luxo tem vagões com decoração inspiradas na Mata Atlântica (batizada de Foz) ou nas calçadas cariocas (a Copacabana), com poltronas e sofás estofados que, de tão confortáveis, fazem as três horas de viagem passarem muito rápido – se bem que a paisagem vista das janelas panorâmicas é tão bonita que isso definitivamente não é um problema. Já a Litorina Curitiba tem assentos dispostos da forma tradicional, e não em lounges, o que a torna R$ 40 mais em conta, em média, por pessoa.

O serviço de bordo das litorinas é outro destaque: o café da manhã é servido assim que o trem começa a andar, bem quentinho, e as bebidas – dá para escolher entre refrigerante, café, cerveja e espumante – são servidas durante toda viagem, sem limites. Além disso, há sempre uma guia bilíngue dando informações históricas sobre a região.

É possível comprar passagem por trecho ou o pacote que dá direito ao city tour por Morretes (incluindo almoço no restaurante da Serra Verde, que serve o tradicional barreado) e por Antonina. Também inclui transfer do hotel na ida e na volta, feito numa van pela Estrada da Graciosa no fim da tarde (R$ 399 a Litorina Curitiba e R$ 439 a Litorina Luxo, com descontos para idosos e crianças). 

Em Morretes, aproveite para visitar diversas lojas de artesanato, restaurantes, sorveterias e cafés. Entre eles, chamou a atenção um espaço verde e gracioso batizado Bistrô da Vila, que vale a parada, no mínimo, pelo cafezinho, que pinga direto do coador. Já em Antonina, passe pela Igreja Nossa Senhora do Pilar, de onde se tem uma bela vista da cidade, e preste atenção às fachadas de algumas construções, com plaquinhas com letras de música. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

Áreas verdes não faltam em Curitiba e, assim como o Jardim Botânico, outros parques são ótimos para relaxar em meio à natureza. E o melhor: eles estão tanto na rota do ônibus Linha Turismo quanto no roteiro do city tour (se quiser aproveitá-los por mais tempo, porém, considere ir por conta própria). 

O Parque Tingui leva o nome da tribo indígena que habitava a região séculos atrás e fica no bairro São João, no norte de Curitiba. Dentro dele fica o Memorial Ucraniano, uma área construída em homenagem à presença dos imigrantes dessa nacionalidade na capital paranaense, aberta em 1995. Além da réplica da Igreja São Miguel Arcanjo – a original foi construída na cidade de Mallet, também no Paraná –, há uma típica casa ucraniana aberta à visitação e uma outra onde funciona uma loja. 

A área do Parque Tanguá, à beira do Rio Barigui, tem passado curioso: ali funcionava um complexo de pedreiras, hoje desativado. Com disposição arquitetônica e paisagística disciplinada, conta com um mirante de 65 metros de altura, cascata e um jardim também de estilo francês. Subir em seu belvedere de três andares vale a pena pela visão privilegiada da natureza curitibana. 

Enquanto isso, o Parque Barigui, o mais visitado pelos curitibanos e um dos maiores da cidade, reserva áreas para piquenique, churrasco, um lago de 230 mil metros quadrados e aparelhos de ginástica para exercícios. O parque abriga também o Museu do Automóvel, onde estão expostos mais de 150 veículos e suas histórias ( museuautomovel.com.br). 

Outro lugar que mescla história e natureza é o Bosque João Paulo II ou Bosque do Papa, como é mais conhecido. Como o próprio nome diz, trata-se de uma área verde onde o homenageado é o líder da Igreja Católica, nascido na Polônia em 1920 e falecido em 2005. Visita ilustre em Curitiba em julho de 1980, o Papa esteve presente em uma das residências polonesas estabelecidas ali no passado. 

Idealizado por Rafael Greca e com jardim projetado por Roberto Burle Marx, o bosque parece uma aldeia polonesa, cujas construções reproduzem o cotidiano dos imigrantes na região, expondo seus trajes e utensílios mais usados. Já a casa que recebeu o Papa abriga hoje em dia uma capela em homenagem à Virgem Negra de Czestchowa, padroeira da Polônia. Para visitá-las, vá de terça a domingo; a entrada é gratuita. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

Ir a Curitiba e não conhecer Santa Felicidade é como não ir”, me disse uma amiga curitibana. Por isso, optamos pelo almoço de domingo em um dos restaurantes da região. 

Colônia imigrante desde o fim do século 19, o distrito de Santa Felicidade recebeu o nome em homenagem a Dona Felicidade Borges, uma senhora de origem portuguesa que doou parte de suas terras aos italianos recém-chegados. Hoje, são 16 bairros, anunciados por uma estátua do Leão de São Marcos no portal de boas-vindas e repletos de vinícolas, lojas de artesanato e restaurantes. 

Entre os estabelecimentos mais famosos de Santa Felicidade estão a Adega Durigan (vinhosdurigan.com.br), uma enorme loja com vinhos, espumantes, frios e outros produtos de dar água na boca, e o Restaurante Madalosso (madalosso.com.br), um clássico, com duas unidades na agitada Avenida Manoel Ribas. 

Com 4.645 lugares e uma área total de 7.671 metros quadrados, ele foi apontado como o maior restaurante da América Latina em 1995, entrando para o Guinness Book. Sua proposta é a de uma cozinha tipicamente italiana: rodízio de massas acompanhado de polenta e frango frito à vontade. É tão gostoso que vale o aviso: cuidado para não comer muito logo na entrada e ficar sem espaço no estômago para a massa. O valor do rodízio é de R$ 48,50 (mais 10% por pessoa, sem bebidas) na unidade maior e R$ 54 (sem bebidas) na menor e mais antiga – o valor mais alto refere-se à inclusão de carne no rodízio. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

Na janela da van começava a surgir a construção em formato de olho. “É aqui o Museu Oscar Niemeyer”, disse a guia, explicando que, por ser uma visita demorada, não estava dentro do roteiro. Mas a curiosidade diante do prédio, inaugurado em 2002 e projetado por Niemeyer, deu mais um motivo para o retorno breve. 

O MON dedica-se às artes visuais, arquitetura, urbanismo e design. Tem 12 salas e já recebeu mais de 300 mostras. Há alguns anos, também é o destino de obras de arte apreendidas na Operação Lava Jato. Dentro fica o MON Café, com cardápio de Flavio Frenkel. Vai de cafezinho a massas e saladas. O museu é uma das paradas da Linha Turismo; abre de terça-feira a domingo, a R$ 16: museuoscarniemeyer.org.br.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 04h30

A dica do amigo Rodrigo Casarin, sommelier de cervejas e um dos apresentadores do canal do Youtube Tribunal da Cerveja, foi: “vá a uma microcervejaria curitibana”.

O motivo para a recomendação eu sabia. Desde o início dos anos 2000, Curitiba tem se destacado como destino cervejeiro. Além de bares e pubs com versões artesanais premiadas internacionalmente, em agosto a cidade recebe o Festival da Cultura Cervejeira Artesanal, no Museu Oscar Niemeyer.

Entre as opções, a cervejaria-escola Bodebrown (bodebrown.com.br) é uma das mais famosas e tem acumulado prêmios desde sua fundação, em 2009 – inclusive no Mondial de La Bière de Montreal, no Canadá.

Rodrigo Casarin também indicou outros três rótulos da cidade: Way Beer, com opções maturadas no barril e sazonais (waybeer.com.br); a Morada – Cia. Etílica, com a curiosa Hop Arabica, o “café mais lupuladamente refrescante”, segundo a própria marca (moradaciaetilica.com.br); e a Swamp Brewing, com quatro tipos de cerveja que incluem uma IPA e uma pilsen “checa” (cervejariaswamp.com).

Se você é um bom apreciador de cervejas, portanto, reserve umas horinhas para esse tour cervejeiro curitibano. No Largo da Ordem há boas opções de bares, por exemplo. E se quiser trazer alguma na mala, siga outra dica de Casarin: “Quando as cervejas são tomadas lá (em Curitiba), sempre são melhores, principalmente as da Way Beer, porque elas perdem muito frescor quando viajam”. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

19 Setembro 2017 | 19h00

A Feira do Largo da Ordem ( feiradolargo.com.br) foi um achado. Livres na manhã de domingo e hospedados no centro, fomos caminhando até lá. As primeiras barracas já animaram pela diversidade de produtos, mas o tamanho impressiona ainda mais: são 2 mil expositores. Por isso, vá com tempo (das 9 às 14 horas).

Na área do largo ocorre uma exposição de carros antigos, em frente à Mesquita de Curitiba, que também pode ser visitada. A poucos quarteirões, aliás, há duas igrejas católicas, uma delas com missas em latim. Se quiser fazer um tour por monumentos religiosos, tente combinar a viagem com uma das edições do Na Trilha do Sagrado, passeio organizado pela prefeitura ( bit.ly/trilhadosagrado). 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.