Onde fica o melhor bar do mundo

Nosso solerte viajante anuncia que começa a ficar incomodado com o mau humor do outono britânico e está de malas prontas para latitudes onde "as temperaturas estão mais tépidas e as mulheres, menos vestidas". Especula-se que, desta vez, ele finalmente reapareça no Brasil, onde, entre outras visitas não anunciadas, deverá encontrar o seu fabricante capixaba de pios. Para os que não sabem, mr. Miles é um paciente birdwatcher e, a seu ver, há no Espírito Santo um dos mais notáveis fabricantes de instrumentos de sopro para atrair aves ariscas. Fontes que preferem manter a discrição garantem que nosso correspondente britânico precisa de três pios específicos: os que atraiam jaós, marrecas-irerê e tururins. A seguir, a correspondência da semana:Mr. Miles: como apreciador de viagens e bares, diga-me: qual o melhor dos bares do mundo? Walter Julios Saraiva, por e-mail"Well, my friend, quem sou eu para responder a uma pergunta dessa magnitude? Nem Hemingway - que, segundo fontes, teria visitado cerca de 98,3% dos estabelecimentos existentes ao seu tempo - ousou pontificar a respeito. O que poderá dizer um humilde viajante que, com toda a certeza, nem sequer chegou a encostar os cotovelos em 70% dos bares do planeta? Não, fellow, conheço meus limites. O que não me impede, of course, de citar dois ou três bares históricos. Como o mitológico El Pimpi, em Málaga, ligado à história das touradas andaluzas - onde, dizem, o sangue de alguns toureiros foi bebido por seus amigos diluído em jerez. Ou o Foxy?s, em Jost Van Dyke, nas Ilhas Virgens Britânicas. É seguramente o bar que hospeda o réveillon mais agitado do planeta, um tradicional ponto de encontro de velejadores, cuja baía adjacente se torna um atracadouro de colossais dimensões ao fim de cada ano. Eu mesmo estive lá e só fui reencontrar o barquinho em que vim na terceira semana de janeiro. Can you believe in such a mess? O mais mencionado de todos, however, chama-se Peter Café Sport, fica em Horta, na Ilha do Faial, em Açores, e conquistou sua reputação pela qualidade de seu gim-tônica e pela hospitalidade de José de Azevedo - believe me or not, o Peter do nome. José ganhou a alcunha por sua semelhança com um marinheiro da Royal Navy e adotou-a com espírito esportivo. Tantos marujos saciaram, com Peter, sua sede de liquor and land que ele acabou sendo oficialmente homenageado por sociedades navais de todo o Atlântico Norte. Estive lá muitas vezes, naquelas nove ilhas distantes que alguns dizem ser o centro do mundo e os últimos picos da Atlântida. Sempre fui bem recebido por Peter, bebi com fartura e comi ótimas iguarias portuguesas. O bar é cheio de lendas - há os que garantem que o próprio João Paulo II aparecia por lá. Não ouso afirmar que é o melhor entre todos os bares, até porque desde pequeno aprendi que não há pub como seu local pub. Mas garanto-lhe que é o único onde você vai encontrar um Museu de Arte de Scrimshaw, com trabalhos gravados e pintados em marfim de cachalote. Que lhe parece?" * Mr. Miles é o homem mais viajado do mundo. Ele já esteve em 132 países e 7 territórios ultramarinos. É colunista e conselheiro editorial da revista ?Próxima Viagem?

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.