Originalidade em paredes e trens

Para os brasileiros Osgemeos, vagões na Alemanha e prédios em Barcelona exibem trabalhos interessantes

Mônica Nóbrega, O Estado de S.Paulo

17 Fevereiro 2009 | 02h22

Os irmãos grafiteiros Gustavo e Otávio Pandolfo, mais conhecidos como Osgemeos, engrossam o coro dos que acreditam que lugar de grafite é na rua. Ano a ano, Os Gigantes, bonecos de até 20 metros de altura criados por eles se espalham por muros e laterais de prédios mundo afora. Em Nova York, por exemplo, quem sai da estação Coney Island do metrô, no Brooklyn, dá de cara com um painel assinado pela dupla, criado em 2006.  

 

Em dupla: Gustavo e Otávio grafitam muro da estração Coney Island dometrô, em Nova York

Há exemplares dos trabalhos dos irmãos também em Berlim, no bairro Kreuzberg, e na Holanda, na cidade de Heerlen, onde eles decoraram uma parede com um personagem de oito metros de altura no ano passado, durante o festival Cultura Nova, dedicado à arte contemporânea e realizado desde 1991. Este ano, o evento ocorre entre 28 de agosto e 6 de setembro.

 

Veja também:

linkNa rua, grafite vira peça de museu

linkObras conquistam espaço em galerias de Londres e NY

Por isso, não adianta pedir à dupla indicações de museus e galerias que expõem trabalhos de grafiteiros. "Lugar bom para ver grafite é a rua, que tem uma atmosfera, o trabalho sofre intervenções. Esse clima não existe em uma galeria, precisa ser criado", diz Otávio. Os trens da Alemanha e as ruas de Barcelona mostram exemplos interessantes desse tipo de trabalho, dizem os irmãos.

Exposição

E não seria uma contradição o fato de Osgemeos terem cada vez mais mostras organizadas em espaços fechados?

Em Curitiba, por exemplo, está em cartaz a exposição Vertigem, no Museu Oscar Niemeyer, com um total de nove telas, esculturas e instalações interativas com instrumentos musicais. No ano passado, a dupla decorou a fachada da Tate Modern, em Londres, a convite da instituição.

A pintura ficou exposta por seis meses, até outubro. Estava do lado de fora da galeria, portanto, na rua. Era grafite? "Foi autorizada, fomos convidados pela galeria. Acho que não. Pode ser decoração, arte contemporânea. Não sei, preferimos pintar e não pensar muito nisso", diz Otávio.

Cultura Nova: www.culturanova.nl

Museu Oscar Niemeyer: www.museuoscarniemeyer.org.br

Choque Cultural

Artistas norte-americanos, entre eles o grafiteiro Doze Green, abriram o calendário de exposições de 2009 na galeria paulistana Choque Cultural (Rua João Moura, 997; tel.: 0--11-3061- 4051). Doze Green faz parte do grupo Rock Steady Crew, pioneiro da cultura hip hop e ícone da street art nos anos 1980. E a Choque Cultural tornou-se referência em arte de rua entre quatro paredes na cidade. O próximo evento, em março, trará dez artistas de rua da Argentina - Doma, Buenos Aires Stencil, Run Don't Walk e Tec estão na lista - para montar instalações e, eventualmente, conversar com admiradores. Uma exposição de caligrafia também está nos planos, segundo Eduardo Saretta, um dos sócios.

Mais conteúdo sobre:
ViagemGraffitiao ar livre

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.