Os árabes e Mdina

Mdina é a cidade mais charmosa de Malta. Apesar de o lugar ser habitado há 3 mil anos, foram os muçulmanos, no século 9º, que começaram moldar sua silhueta atual - "medina" significa "cidade fortificada", em árabe. As muralhas pesadas e o fosso fizeram a fama do lugar que conquistou a aristocracia e foi a capital da ilha durante todo o período medieval.

O Estado de S.Paulo

05 Junho 2012 | 03h23

Quando a Ordem dos Cavaleiros de São João chegou a Malta, no século 16, o centro do poder passou para o litoral e Mdina se encolheu. A Città Nottabile da Idade Média virou a Cidade Silenciosa da renascença. Hoje, pouco mais de 200 pessoas vivem dentro de suas muralhas.

A melhor maneira de conhecer Mdina (foto) é se lançar sem direção por suas vielas estreitas. Percorrê-las de cima abaixo não leva mais do que meia hora. No entanto, quanto mais devagar a caminhada, melhor. Algumas paradas são obrigatórias. O Palazzo Falson, magnífica mansão onde viveu o colecionador de arte Olof Gollcher, a catedral de St. Paul e o Xara Palace, um dos hotéis mais requintados do país. Se não for possível passar a noite, vale a pena simplesmente sentar-se no restaurante e comer apreciando o vaivém dos turistas.

Mdina é fotogênica. Para qualquer lugar que se aponte a câmera, ela devolve uma bela imagem. A dica é arriscar um passeio no fim de tarde e começo de noite, quando o sindicato dos turistas já deu no pé e os velhos candeeiros dão um aspecto ainda mais bucólico aos becos.

/ C.D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.