Os capuchinhos e sua arte com ossos

Crânios, tíbias e fêmures enfeitam a cripta dessa inusitada (e um tantinho macabra) igreja de Roma

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

01 Julho 2008 | 02h34

As paredes são cobertas por ossos humanos e o cheiro forte de incenso domina o ambiente. Mas, ao contrário do que esses componentes macabros podem sugerir, as criptas no subsolo da Igreja Santa Maria della Concezione dei Cappuccini, em Roma, não provocam calafrios. A sensação primeira - e imediata - é de fascínio.A fachada modesta, sem nenhuma referência às galerias existentes no piso inferior, quase não é notada por quem passa na agitada Via Veneto. A igreja tampouco consta nos guias convencionais: sim, é preciso muita curiosidade para desvendar as tradições dos freis capuchinhos, responsáveis pelo local.Quem for até o templo vai se deparar com seis galerias inteiramente cobertas por mais de 4 mil ossos que ganharam status de obra de arte. Os esqueletos pertencem a religiosos e a beatos mortos entre 1528 e 1870, e foram minuciosamente usados para montar imagens e altares. A primeira sala, por exemplo, retrata o momento em que Cristo ressuscitou Lázaro. O corpo de Jesus, preso a uma das paredes, é feito com milhares de ossos diferentes. Os adornos que enfeitam a cena são igualmente impressionantes e até os lustres um dia já foram pessoas. Pode soar estranho, mas toda essa composição inspira... delicadeza!Não se sabe ao certo o motivo que levou os religiosos a usar ossos como itens decorativos. No entanto, um dos ditados mais conhecidos dos capuchinhos - ''A morte fecha os portões do tempo e abre os da eternidade''- mostra que, para eles, o fim da vida é sinônimo de transformação. E não motivo de dor ou tristeza.Seguindo o corredor, chega-se à segunda galeria, a única que não é enfeitada por ossos, onde são feitas as missas para que os defuntos se livrem do sofrimento do purgatório. Assim como a parte superior da igreja, onde ocorrem as celebrações do dia-a-dia, o local é modesto e segue a tradição de simplicidade dos freis.Adiante, as Criptas das Caveiras, dos Ossos da Pélvis, da Tíbia e do Fêmur e a dos Seis Esqueletos. Todas, como os nomes dizem, priorizam um osso específico nas esculturas. Atente para os esqueletos vestidos como os freis - cobertos por um hábito marrom com capuz - e para as montagens de flores. A perfeição das formas faz pensar em como os capuchinhos conseguiram unir arte e morte.Cripta da Igreja Santa Maria della Concezione dei Cappuccini : Via Vittorio Veneto, 27 , entrada gratuita. Das 9 às 12 horas e das 15 às 18 horas. Site: www.cappucciniviaveneto.itViagem feita a convite da Alitalia

Mais conteúdo sobre:
romaigrejacappuccini

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.