Os limites do crescimento

A idéia do desenvolvimento sustentável hoje é questão de todos, mas as empresas têm uma missão essencial para que isso possa se concretizar. Se existe uma vontade real em adequar seu modelo de negócio para garantir o equilíbrio necessário à sustentabilidade, é preciso incorporar essa preocupação em todas as dimensões de sua atividade - desde o planejamento até o desenvolvimento de processos operacionais do dia-a-dia. Desenvolvimento sustentável exige o envolvimento do business em questões que dizem respeito ao bem comum e que podem extrapolar o âmbito corporativo. A conscientização sobre o tema tem levado líderes a incentivar a adoção de boas práticas, mas esse novo cenário não pode se limitar apenas à diretoria. É preciso atingir o conjunto de colaboradores, acionistas, parceiros, fornecedores e clientes, compartilhando com eles a necessidade de conscientização e dando-lhes a oportunidade de contribuir. O tema, anteriormente exclusivo de ONGs e ativistas, é hoje um dos mandamentos mais reproduzidos em qualquer setor empresarial. Na hotelaria, as redes têm buscado formas de assegurar a compatibilidade entre a atividade turística e a manutenção do ecossistema, sua diversidade e recursos naturais. Para que isso seja possível, é preciso incorporar ações como metas de consumo e reutilização de água, uso de energia solar e reciclagem de materiais. As atividades devem ser monitoradas, para que os resultados de todos esforços empreendidos possam ser acompanhados. Não se pratica desenvolvimento sustentável sem inovação, avaliação e mensuração. São regras claras que têm uma razão: viver e crescer de forma sustentável. Esta é uma exigência da indústria hoteleira, que vende serviços mas precisa se preocupar também com o bem-estar da sociedade. Como grande aliada, a atualidade nos dá a tecnologia. Com ela, é possível garantir que itens que vão da arquitetura à chave do apartamento sejam planejados na construção de um hotel, de modo a otimizar recursos e ampliar a geração de valor na atividade. Para citar um exemplo de casa, na Accor Hospitality nenhum projeto hoteleiro sai do chão se não estiver em sintonia com a Carta Ambiental. Criado com o compromisso preservar o meio ambiente, o documento - exemplo de estratégia já consolidada e bem-sucedida - é utilizado em todas as nossas unidades. Para o mesmo fim, contamos com certificações ambientais, que acompanham a atividade de modo rigoroso. Para nós, a chave do sucesso é levar cada uma dessas ações a cabo, garantindo seu acompanhamento no tempo certo e avaliando os resultados. A política exige e a tecnologia permite a adoção de equipamentos redutores e de detecção de vazamento e recuperação de água, ou o uso da chave magnética, que controla sistemas de luz e condicionamento de ar nos apartamentos. O gerenciamento responsável dos recursos, aliado às práticas de redução e reciclagem, é um meio eficiente para alcançar a sustentabilidade. Mas isso só é possível se, além da implantação de políticas sérias e do uso de tecnologia e sistemas de controle na construção e na operação de hotéis, houver o compromisso de cada um. Sem o elemento humano, nenhum projeto é viável. * Roland de Bonadona, diretor da Accor Hospitality para a América Latina

Roland de Bonadona *, O Estado de S.Paulo

03 Junho 2008 | 03h16

Mais conteúdo sobre:
opinião roland viagem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.