Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Os maiores destaques de um passeio pelo Peterhof

O Palácio de Verão de São Petersburgo

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

08 Maio 2018 | 00h20

Escadarias

Com as sapatilhas de algodão que recebi na entrada (forma de preservar o local), comecei o passeio pelas estonteantes escadarias do Grande Palácio, onde o dourado nas paredes brancas já causa um impacto que descrevo aqui como “uau”. Desvie o olhar para o teto e repare na pintura que o cobre por completo. A sala que vem a seguir, dos espelhos, obedece à mesma linha decorativa – dá vontade de sentar na cadeira da monitora e ficar ali por horas, contemplando a beleza de seus traços. Até dá para entender a fissura do grupo de chineses à frente em fotografar e fotografar. Lembro que o museu tem mais de 300 mil itens em sua coleção e sigo em frente.

Salas

Se você já foi a Versailles ou a outro palácio real sabe que nenhuma sala é igual a outra e que luxo é algo em que a nobreza não economiza. Além de tudo aquilo que as salas contam por si mesmas por meio de sua decoração, há uma infinidade de objetos e obras de arte que narram momentos históricos e evocam personagens. Paro em frente à sala de jantar, organizada minuciosamente com as porcelanas dos séculos 18 e 19, e é como se dali a algumas horas Nicolau I fosse chegar para um delicioso banquete ao lado da família Romanov. Imagino o mesmo ao passar pela sala de jogos, pelo escritório, pelos dormitórios privados e pelas incríveis cabines chinesas, construídas e decoradas na época de Catarina II.

Jardins e fontes

O termômetro marcava 7 graus e o sol brilhava no céu azul de São Petersburgo. No início de abril, as árvores secas formavam caminhos nostálgicos, montinhos de gelo cobriam a grama de branco e as águas do Mar Báltico ainda estavam congeladas. Foi divertido poder caminhar sobre ele sem molhar os pés. Durante a Copa, a água já terá voltado a seu movimento natural e todas as fontes do jardim estarão funcionando – e isso faz diferença. Quando cheguei, a Grande Cascata, em frente ao Grande Palácio, estava desligada. Era bonito o caminho que ela formava em direção ao mar, mas nada se comparou ao espetáculo quando as águas começaram a jorrar. Ouvi dizer que foi a primeira vez no ano. Sorte de principiante?

Leia mais: Confira todas as dicas do Viagem para visitar a Rússia, país-sede da Copa do Mundo 2018

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.