Os modernistas de Tarragona

Província onde Gaudí nasceu também recebeu Miró e Picasso - veja cenários da vida e da obra desses artistas

Natália Zonta, O Estado de S.Paulo

07 Outubro 2008 | 02h49

O litoral tem areia dourada e o interior, montanhas iluminadas pelo sol que brilha o ano inteiro. Graças à sua natureza única, a província de Tarragona, na Catalunha, nunca precisou se esforçar para conseguir admiradores. Gaudí e Picasso, por exemplo, passaram muitos verões nesse cenário com vista para o Mediterrâneo. No decorrer dos anos, alguns moradores e visitantes de Tarragona - como os dois mestres espanhóis - atingiram o status de lendas e reforçaram o interesse pela Costa Dourada, como o trecho ficou conhecido. A fama de balneário badalado é responsável por boa parte do movimento turístico na região. Mas também existe um público interessado em seguir a rota dos modernistas, com atrações que fizeram parte da vida e da obra de vários artistas. Os primeiros rascunhos de Antoni Gaudí (1852-1926) certamente foram dados nessa região. O arquiteto nasceu em Reus, o município mais desenvolvido de Tarragona, e viveu por lá até os 16 anos, quando se mudou para a vizinha Barcelona. Os poucos anos passados em Reus, de acordo com os moradores do município, foram essenciais na formação do arquiteto. Alguns arriscam dizer que o cenário local, marcado pela força da modernidade e pela beleza da natureza, inspirou o mestre. Mesmo não tendo nenhuma obra dele em seu território, a cidade conta com um importante centro cultural dedicado ao artista. POR DENTRO DA OBRA O moderno Gaudí Centre Reus foi inaugurado no ano passado e tem 1.200 metros quadrados, distribuídos em três andares. O projeto é assinado pelos arquitetos Toshiaki Tange e Joan Sibina, que apostaram numa visão conceitual e inovadora da obra e da própria figura do artista. A viagem pela trajetória do gênio começa no andar chamado Gaudí Universal. Ao entrar, os visitantes assistem a um espetáculo audiovisual de 12 minutos que faz uma breve introdução sobre as origens do arquiteto. As explicações sobre o estilo incomparável do artista são ilustradas com maquetes interativas, como a que retrata a Sagrada Família, de Barcelona, exposta no mesmo andar. Sempre seguindo os passos do mestre, o visitante chega à segunda parte do centro, que recebeu o nome de Gaudí Inovador. Ali são analisados e desvendados os detalhes do processo de criação do arquiteto. Mais maquetes fiéis às formas fantásticas e complexas criadas por ele podem ser vistas, tocadas e estudadas bem de perto. Gaudí e Reus é o tema da última parte da mostra. Como o título indica, a área é dedicada a um capítulo pouco conhecido da biografia do arquiteto: sua infância e sua juventude na cidade. Entre 1852 e1868, o então aspirante a arquiteto vivia perambulando pelas ruas. Brincava nas vielas e freqüentava a igreja, como bom católico que era. No centro da cidade, inclusive, há um estátua, a Gaudí Niño, que tenta mostrar essa fase. Ainda no último piso, o turista pode conhecer melhor a rota dos modernistas e os trabalhos desenvolvidos por contemporâneos de Gaudí. Aproveite para obter dicas e planejar outras visitas em Reus. Não deixe de olhar com atenção para as obras de Lluís Domènech i Montaner (1850-1923), também seguidor do art nouveau, ou modernismo, como o movimento era chamado pelos espanhóis. Em Reus há muitas obras assinadas por esse arquiteto nascido em Barcelona. Visite o prédio do Instituto Pere Mata, erguido em 1898, e a casa Navàs, construída entre 1901 e 1907. Gaudí Centre Reus: Plaza Mercada. Das 10 às 14 horas e das 16 às 19 horas. Entrada a 6 (R$ 16,15). Mais informações: www.gaudicentre.com

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.