Roslan Rahman/AFP
Roslan Rahman/AFP

Os voos mais longos do mundo

Começou a operar o voo direto entre Cingapura e Nova York – dura 19 horas

Mr. Miles, O Estado de S.Paulo

16 Outubro 2018 | 01h09

Mr. Miles deixou a Bulgária logo depois do casamento em que serviu de padrinho e retornou a Londres. Ele, que havia estado na praia de Nessebar, no Mar Negro, contou que a primeira frente fria digna de nota na região baixou a temperatura em perto de quarenta graus centígrados no espaço de doze horas. “Isso posto, my friends, declarei encerrada minha temporada de verão no hemisfério norte”, declarou o grande viajante.

A seguir, a pergunta da semana:

Mr. Miles: sou um interessado por aviação. O senhor saberia me dizer quais são os voos comerciais mais longos existentes? 

André Rafael Sulzman, por e-mail

“Well, my friend: como é conhecimento geral, passo boa parte de minha modesta existência viajando pelos ares do planeta. However, haverá gente muito mais estudiosa do que eu nessa matéria específica. Eles, for sure, vão se manifestar nos próximos dias e enriquecer a minha resposta repleta de buracos. 

Como já contei neste espaço, tenho duas vantagens sobre os viajantes comuns: sobra-me tempo e possuo o título de sócio remido de oito planos de milhagem – de modo que posso viajar praticamente em todos os assentos disponíveis em qualquer aeroporto do mundo. Assim, se a rota sem escalas entre Londres e Cidade do Cabo estiver lotada, não terei problemas em viajar para o mesmo destino fazendo escalas em Tripoli, na Líbia, Abuja, na Nigéria, Lusaka, na Zâmbia, Windhoek, na Namíbia e, finally, na Cidade do Cabo. Não me importo com escalas, costumo ter amigos em todos os lugares e, sometimes, uso meu tempo para rever cidades nas quais há muito não passava, de modo a renovar e polir minhas sensações.

Anyway, sei, por conversas que mantenho com capitães e aeromoças, que começou a operar na última quinta-feira o voo direto da Singapore Airlines, que liga a cidade-estado asiática a Newark (Nova Jérsei, um dos aeroportos de Nova York) e dura 19 horas. O voo é feito em um avião Airbus A350-900 ULR (Ultra Long Range ou Alcance Ultralongo) e não tem uma classe econômica. Para carregar a quantidade necessária de combustível, o jato tem 67 assentos em classe executiva e 94 em uma confortável classe econômica premium, o que justifica, besides, os preços mais altos cobrados pelas passagens.

Há, as well, dois outros voos de duração notável. O da Qatar Airways, que liga Doha a Auckland, na Nova Zelândia, dura 17h30; e o da Qantas, empresa australiana, que voa direto de Perth a Londres em 17 horas. 

It’s surprising: as companhias aéreas descobriram que rotas longas com voos diretos têm três vezes mais procura do que aquelas com voos fatiados como um bife de tiras. Em 2005, fui convidado para participar do mais longo voo comercial já realizado. Éramos apenas 36 passageiros na aeronave, que levou 22 horas e 20 minutos para voar os 21.602 quilômetros que separam Hong Kong de Londres. Confesso que, depois das primeiras dezessete horas, senti um ligeiro fastio. Para relaxar, recorri à lista telefônica de Tóquio, um livrão de mais de 2 mil páginas (já no final de sua existência impressa). Confesso que o enredo era fraco, mas o que não faltavam eram personagens. Can you believe me?

Os mais jovens não lembrarão, mas os antigos voos intercontinentais podiam ser muito mais longos que os de hoje. Há muitas histórias enriquecedoras que eu poderia relembrar aqui. Mas vou apenas a uma delas, a título de ilustração. Quando a saudosa Varig decidiu levar seus passageiros a Nova York, nos antigos e elegantes Super-Constellations da empresa norte-americana Lockheed, era preciso que houvesse uma miríade de escalas pelo caminho, a fim de saciar a sede de gasolina da aeronave de quatro hélices.

Pois as paradas sucediam-se até que a aeronave atingisse Belém, na Amazônia. Naquele local, o capitão informava aos passageiros que era hora de todos descerem do aeroplano para um pernoite na cidade. Believe me: sem radares, referências ou aeroportos por perto, o voo comercial só poderia ser retomado com luz do sol, para seguir viagem rumo a Nova York, com mais uma escala em Ciudad Trujillo – nome execrável que Santo Domingo teve enquanto um ditador militar destruiu aquele pequeno país. 

A viagem, therefore, durava muito. Mas era divertida, elegante e sem apertos. Com certeza melhor do que 12 horas nessas latas de sardinha que voam nowadays. 

É O HOMEM MAIS VIAJADO DO MUNDO.

ELE ESTEVE EM 183 PAÍSES E 16 TERRITÓRIOS ULTRAMARINOS. SIGA-O NO INSTAGRAM @MRMILESOFICIAL

Mais conteúdo sobre:
turismoaviação

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.