Outros públicos. Outras propostas

Os turistas GLS e, especialmente, a terceira idade são os novos alvos das empresas do setor. Veja opções

Camila Anauate, O Estado de S.Paulo

17 Junho 2008 | 02h45

Foi-se o tempo em que intercâmbio era sinônimo de high school. O termo ganhou dimensões mais globais e começou a chamar a atenção de públicos bem específicos. Hoje, esse tipo de produto não é voltado somente para jovens estudantes nem significa simplesmente curso de idioma. É vivência internacional, enriquecimento cultural e troca de experiências. Por isso, as empresas do setor inovam a cada ano e lançam programas diferenciados.Quem disse que quem já passou dos 50 anos não pode estudar inglês fora do País? E por que o público GLS não teria à disposição uma escola de inglês gay friendly? Mais: e se alguém quiser passar as férias estudando cinema nos Estados Unidos ou moda em Milão? Basta querer e procurar pelo programa com o seu perfil.O STB, por exemplo, vende cursos específicos para quem quer aprender cinema. O destino? Nova York. A escola? New York Film Academy, do produtor executivo Jerry Sherlock. Até o filho de Steven Spielberg estudou por lá. Os cursos podem ser de verão ou ter duração de até dois anos. Filmagem, roteiro, produção, direção, animação, é só escolher.Nesse ramo de cursos de especialização, com duração variada, opções não faltam. Gastronomia, design e arquitetura, além de cinema, são as áreas mais procuradas.Já para o público da terceira idade o mundo é uma escola. ''A terceira idade descobriu uma nova maneira de fazer turismo'', opina a diretora de Operações da Brazilian Educational & Language Travel Association (Belta), Maura Leão. ''São pessoas que não tiveram a oportunidade de viajar quando jovem, mas hoje querem ter essa experiência.''Outro público específico que está de olho no intercâmbio é o GLS. ''Temos uma grande procura de executivos, que geralmente estão há algum tempo sem tirar férias'', afirma o gerente de Desenvolvimento de Produtos da GTravel, Vinícius Braune. ''Eles querem unir o útil ao agradável: aproveitar para aperfeiçoar o inglês e fazer turismo.''A GTravel vende um programa de intercâmbio para a Cidade do Cabo, na África do Sul. ''A escola de lá é gay friendly e permite que casais fiquem no mesmo quarto'', conta Braune. O curso é acompanhado de outras atividades, como esportes radicais e safáris.Confira, abaixo, programas diferenciados para públicos específicos:ESPECIALIZAÇÃOA CI tem curso de design de moda em Milão. São três semanas de aula e acomodação em hotel ou flat por 4.800.A Kangaroo Tours tem curso de gastronomia em Sydney, na renomada Le Cordon Bleu. São dez semanas por 7.500 dólares australianos.A Pressto vende curso de cinema, de oito semanas, na Met Film School, em Londres. Por 5 mil libras.A SIP tem curso de decoração e de shop design no Instituto Europeu de Design, em Milão. Três semanas de aulas e acomodação em residência estudantil saem por 2.950.O STB vende curso de acting ou film making na New York Film Academy. Quatro semanas custam US$ 3.500.TERCEIRA IDADENa BEX, duas semanas de espanhol e atividades culturais na Espanha por 460.A CI tem curso de inglês em Bournemouth (Inglaterra) por US$ 1.558. Inclui duas semanas de aula, acomodação em casa de família, meia pensão e atividades culturais.Na Connection Line, duas semanas de inglês em Malta por 1.050. Inclui acomodação em casa de família e meia pensão.A Experimento tem programa na Nova Zelândia. São quatro semanas de inglês e atividades culturais por US$ 480.A Intercâmbio & Cia tem curso de italiano em Roma por 945 por semana. Inclui acomodação em flat.A Pressto tem programa em Siena, com aulas de italiano e atividades culturais. São duas semanas por 860.GLSO programa da GTravel inclui duas semanas de inglês na Cidade do Cabo, acomodação em residência estudantil e café da manhã, além de duas noites de safári no Kruger Park com meia pensão. Por US$ 1.580 por pessoa em quarto duplo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.