Burrard-Lucas Photography
Burrard-Lucas Photography

'Pantera negra' africana é fotografada pela primeira vez em um século

Felino é, na verdade, um leopardo; imagens foram feitas por fotógrafo britânico em área de safári

Da Redação, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2019 | 19h22

É um golaço da ciência e da fotografia, capaz de aquecer o coração de qualquer fã de super-heróis. Enquanto o Pantera Negra da Marvel faz história ao ser o primeiro filme de super-herói indicado ao Oscar de Melhor Filme, outra surpresa acaba de ser flagrada no Quênia, bem perto da localização do fictício reino de Wakanda: fotos raras de um leopardo negro, felino africano que tinha sido fotografado pela última vez 110 anos atrás, em 1909.

As imagens foram feitas em janeiro pelo fotógrafo britânico Will Burrard-Lucas, especializado em vida selvagem, e estão publicadas nas redes sociais do fotógrafo.

Leia mais: Saiba mais sobre locações do filme Pantera Negra e a localização de Wakanda no mapa da África

Burrard-Lucas instalou câmeras infravermelhas noturnas sensíveis ao movimento para capturar imagens do felino. Os equipamentos foram posicionados no entorno do Laikipia Wilderness Camp, uma hospedagem turística que organiza safáris. "Eu sou capaz de criar uma espécie de iluminação de estúdio e deixar minhas câmeras instaladas por semanas ou meses", disse ele à Reuters

Enquanto ele fotografava, pesquisadores do zoológico de San Diego e da queniana Loisaba Conservancy, que estudam leopardos na área, também montaram câmeras de vídeo remotas nas proximidades e confirmaram a existência dos leopardos negros em Laikipia, localidade no Quênia ao norte de Nairóbi. A descoberta foi publicada no African Journal of Ecology.

 

A Panthera pardus, nome científico do animal, é mais comumente encontrada com pelo preto no Sudeste Asiático, de clima tropical e úmido. Mas, aparentemente, o melanismo - a causa da coloração escura, uma condição oposta ao albinismo - também pode ocorrer em climas semiáridos como o de Laikipia, de acordo com o artigo. Algumas observações do animal com pelo escuro haviam sido relatadas na África, mas apenas um foi confirmada por um registro fotográfico, na capital da Etiópia, Adis Abeba, em 1909. / Com The New York Times e Reuter

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.