Para curtir o mar

A imensa fila na fronteira entre o Peru e o Chile foi amenizada por uma diversão nada convencional e completamente inesperada: um dos agentes que distribuem formulários decidiu exibir seu talento artístico em um show de mágica. Além dos truques, ele dançou, mandou beijos e distribuiu seu e-mail pessoal, avisando às mulheres da sua condição de solteiro. Gargalhadas coletivas balançavam o ônibus.

O Estado de S.Paulo

04 Outubro 2011 | 03h08

A imigração chilena é a mais detalhista entre os quatro países visitados durante a viagem. Cachorros da Polícia de Investigaciones del Chile entram no ônibus e cada mala é revistada. Com a demora, chegamos a Arica, vindas de Tacna, tarde da noite. E caímos em uma pegadinha: sem lugar para ficar, aceitamos uma oferta de hospedagem oferecida na rodoviária. Um lugar caindo aos pedaços - mas que, ao menos, não ficava em endereço arriscado.

A graciosa cidade é banhada pelo Oceano Pacífico e tem praias famosas como La Lisera, de mar calmo e frequentada por famílias, e Brava, com ondas mais fortes.

De Arica partem passeios ao Parque Nacional Lauca, na província de Parinacota, onde fica o Lago Chungará, a mais de 4.500 metros de altura. Os vulcões gêmeos Payachatas, eternamente nevados, também não estão longe.

Os passeios são vendidos em agências no centro da cidade (veja a lista no site arica.cl), por preços quase sempre inflacionados, já à espera da inevitável pechincha. Caso decida alugar carro e ir por conta própria, a dica é a mesma: negocie.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.