Bruna Toni/Estadão
Bruna Toni/Estadão

Para esquiadores iniciantes

Quatro respostas rápidas para perguntas essenciais sobre uma estação de esqui:

Bruna Toni, O Estado de S. Paulo

04 Agosto 2015 | 10h20

O QUE FAZER EM UMA ESTAÇÃO?

O foco principal, claro, é deslizar sobre esquis ou no snowboard. Para esquiadores iniciantes, vale a pena investir em aulas – considere ao menos duas particulares para desenvolver confiança. 


Em todas as estações há pistas divididas, normalmente, em quatro categorias, de acordo com o grau de dificuldade. O que muda é que cada destino pode ser mais favorável a quem nunca esquiou, como Las Leñas, na Argentina, onde há uma pista de 1,5 quilômetro com descidas leves, perfeita para aprendizes. 


Em uma semana é possível migrar das pistas mais fáceis para as mais avançadas, segundo instrutores. Mas se você não chegar lá, como esta repórter, não tem problema. Segundo Nestor Apraiz, um caçador de invernos que, aos 75 anos, divide seu tempo entre as pistas de Las Leñas e Bariloche, na Argentina, Estados Unidos e Suíça: “Esquiar é como andar de bicicleta. Uma vez que se aprende, nunca mais se esquece”.


Mas há outras maneiras de curtir além dos esquis. Em Termas de Chillán, no Chile, por exemplo, há passeios de trenós puxados por cães. Bariloche tem um centrinho simpático, repleto de lojinhas e restaurantes e vários passeios alternativos, como aos mirantes do Circuito Chico e o tubing (descida com boias). Em Las Leñas, dá para se divertir no esquibunda, queimar calorias nas caminhadas com raquetes nos pés e encarar uma tirolesa. 


Longe do frio, alguns resorts têm spas, piscinas aquecidas e banhos de águas termais, como em Chillán. Os restaurantes são atraçôes à parte – refeições com vinhos chilenos e argentinos são obrigatórias. Em Valle Nevado, no Chile, são seis boas opções de restaurantes, com destaque para o novo La Leñera, inaugurado em 2014, e o famoso La Fourchett, que oferece um cardápio com sabores dos alpes franceses. A estação também é famosa pelas atrações après ski (espécie de happy hour de esquiadores) e baladas.


QUALQUER UM PODE APRENDER?

Lá vinha uma fileira interminável de meninos e meninas cujas alturas não passavam da minha cintura. Desciam sem bastões montanhas muito mais altas do que as que eu me atrevi a descer. Ao mesmo tempo, o instrutor Pizzi, já na casa dos 60 anos, mantinha uma agilidade sobre os esquis muito maior do que a do grupo de alunos de 30 e poucos anos. Ou seja: sim, qualquer um pode aprender. 


Com as crianças, contudo, fique atento à idade mínima para deslizar, que varia de resort a resort. Em Portillo, no Chile, um dos mais amigáveis para viagens em família (e repleto de eventos especiais para os pequenos), é preciso ter pelo menos 4 anos completos. 


ROUPAS E EQUIPAMENTOS: COMPRAR OU ALUGAR?

Passar frio não é uma opção. Nas estações de esqui, as temperaturas descem facilmente abaixo de zero, mas quando sai o sol durante uma aula, acredite: você sentirá calor. Por isso, vista-se em camadas. Nos pés, calçados impermeáveis e meia térmica são fundamentais. Gorro, luva, cachecol, óculos e protetor solar, também.

Quanto aos equipamentos (esquis, bastões, prancha de snow e botas), o ideal para quem está começando é alugá-los nas próprias estações. Em algumas delas é possível alugar também jaquetas e calças próprios para o esporte, mas faça as contas: pode ser mais vantajoso comprar.

COMO SE PREPARAR?

Confesso: subir no primeiro dia um pequeno trecho da montanha com os esquis nos ombros não foi fácil. Neste momento, ter algum preparo físico faz diferença, claro. Mas a dificuldade também vem da altitude. A base de Valle Nevado está a 3 mil metros; a de Las Leñas, a 2.240 metros. Para se aclimatar, o ideal é não fazer muito esforço no primeiro dia, tomar muito líquido (se for quente, melhor) e evitar bebidas alcoólicas. 

Mais conteúdo sobre:
esqui snowboard

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.