Para quem não tem medo de tombos

Campeonato reúne atletas amadores de esqui e snowboard

O Estado de S.Paulo

10 Junho 2008 | 03h08

Você é daqueles que raramente se arrisca sobre esquis? Anda bem devagar, vive caindo? Então, pode participar do 3º Campeonato Amador de Esqui e Snowboard, de 11 a 18 de julho em Valle Nevado, no Chile. O evento, organizado em parceria com as operadoras Snowtime e Interpoint, é voltado àqueles que gostam do esporte, mas não chegam a ser atletas."A idéia é que as pessoas se divirtam", explica Sylvio Monti, da Snowtime. Para isso, haverá 20 categorias distintas, com participantes de diversos níveis de habilidade e idades. "É possível competir desde os 7 anos, e há até uma categoria de supermasters, acima dos 70. O programa é para a família."Segundo Monti, o campeonato existe há 22 anos, mas há três anos mudou de formato: em vez de atletas de ponta, amadores tomaram conta do evento. "Todos os anos, eram sempre os mesmos que competiam. Não tinha graça", conta.Foi graças a essa mudança que Karina Oliane, de 26 anos, decidiu se arriscar no campeonato de 2006. E ela se deu tão bem que acabou em primeiro lugar no snowboard. "Esquio desde pequena, mas não esperava conseguir o pódio de cara", diz. Neste ano, ela pretende voltar ao campeonato e já embarcou para a estação na semana passada. "Esses eventos ajudam muito a divulgar os esportes de neve no Brasil. A cada ano surgem mais atletas bons", afirma.Quem não tem a mesma familiaridade de Karina sobre as pranchas não precisa se preocupar. Os 80 instrutores vão avaliar o nível dos inscritos nas clínicas esportivas e eles serão encaminhados para a categoria correspondente ao seu preparo. Basta, então, escolher a modalidade - uma no esqui e duas no snowboard. A disputa sobre esquis é no Slalom Gigante, a prova clássica do esporte. Na pista, são colocadas 30 bandeiras, em dois percursos. O desafio é descer ambos no menor tempo possível - quem conseguir a proeza, leva a premiação. COM EMOÇÃO Os snowboarders podem competir na mesma modalidade e em outra, bem mais radical: o Slope Style. O cenário para os atletas é o Snow Park, parque gelado repleto de obstáculos, como halfpipes, rampas e corrimões. O local, diga-se, é o preferido pelos atletas sul-americanos, como a brasileira Isabel Clark, que costuma treinar na pista durante o inverno.O Snow Park é o reduto de quem gosta de emoções à flor da pele. Ali, poderão ser vistas as manobras mais radicais - ou nem tanto, no caso dos iniciantes. Três juízes julgarão os inscritos em estilo, grau de dificuldade, decolagem, aterrissagem e tempo. E haja tombo na busca da manobra perfeita. ALÉM DA NEVEPara repor as energias, os atletas ganham chocolate quente depois dos treinos, e até um churrasco será organizado na pista - bem à moda brasileira. Mas não pense que todas as atividades realizadas na semana serão no gelo. A programação inclui ainda jantares elaborados, degustação de vinhos, shows com DJs e bandas e até apresentação de jazz.Todas as atividades estão incluídas nos pacotes da Interpoint e da Snowtime, que custam a partir de US$ 2.577 por pessoa, com aéreo. As inscrições também podem ser feitas no site da Confederação Brasileira de Desportos na Neve (www.cbdn.org.br).Interpoint: (0--11) 3087-9400Snowtime: (0--11) 3088-3700

Mais conteúdo sobre:
SNOWBOARDCOMPETIÇÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.