Para se sentir o dono da praia

.

Ricardo Freire, turista.profissional@grupoestado.com.br, O Estado de S.Paulo

22 Setembro 2009 | 05h17

"As praias desertas continuam esperando por nós dois", escreveu Tom Jobim numa canção inspiradíssima de 1958. Meio século mais tarde, ainda dá para encontrar quilômetros e quilômetros de areias desabitadas por aqui. E o que é melhor: alguns pontos vêm estrategicamente equipados com pousadas. Dez praias nordestinas que permanecem fora do radar:

 

REFÚGIO - Patacho, no norte de Alagoas, está entre as faixas de areia que permanecem completamente fora da rota do turismo de massa

ICARAIZINHO DE AMONTADA (CE)

A enseada de águas calmas funciona como marina natural para os barcos dos pescadores deste vilarejo a 210 km de Fortaleza, na direção de Jericoacoara (que está 120 km adiante). O asfalto já chegou - mas o turismo, ainda não. Reserve um chalé de madeira sob o coqueiral da Água de Coco (www.pousadaaguadecoco.tur.br; desde R$ 200).

GALOS (RN)

Esta península de areia, espremida entre um rio de água verde e o mar azulzinho, fica no noroeste potiguar, a 160 km de Natal. De barco você chega a dunas e salinas. A pé, pode percorrer a praia deserta entre as vilas de Galos e Galinhos - e voltar de charrete. A pousada mais confortável da região é a Peixe Galo (www.pousadapeixegalo.com.br; desde R$ 170).

BARRA DE CAMARATUBA (PB)

A última praia da Paraíba, logo abaixo da divisa com o Rio Grande do Norte, só lota em campeonato de surfe. Se você não curte onda, tome banho na foz do rio - ou atravesse de balsa e vá visitar a aldeia dos índios potiguaras, na reserva de Baía da Traição. A pousada Aldeia de Camaratuba é simples, mas agradável (www.barradecamaratuba.com.br; desde R$ 120). João Pessoa está a apenas 100 km.

PERUA PRETA (PE)

Tamandaré, 100 km ao sul do Recife, é o endereço do mar mais bonito de Pernambuco. Sua praia mais sossegada é a Perua Preta - a última da orla antes da ultrafamosa Praia dos Carneiros, ímã de excursões de Porto de Galinhas. A beira-mar é ocupada por boas casas de veraneio - mas a areia escapa completamente à invasão dos turistas. Há um hotel bem montado, o Baía Branca (www.baiabranca.com.br; desde R$ 247, com jantar).

PATACHO (AL)

É possível passar um dia inteiro nesta praia da Rota Ecológica alagoana e não avistar nada além de coqueiros. Na maré baixa, caminhe até a Praia da Laje ou pegue uma jangada até as piscinas naturais. Este paraíso, 115 km ao norte de Maceió, é dividido pelos hóspedes dos três apartamentos da Pousada Patacho (www.pousadapatacho.com.br; desde R$ 270, com ceia).

QUINTA PRAIA (BA)

Um bugue deixa para trás a muvuca de Morro de São Paulo e, em 45 minutos, leva a este pequeno oásis entre manguezais. Hospede-se no charmoso hotel Anima (www.animahotel.com; desde R$ 250) e tire um dia para passear na vizinha Garapuá, que é um deslumbre (mas não tem pousadas confortáveis).

MORERÉ (BA)

No lado menos frequentado da Ilha de Boipeba, Moreré tem bares à sombra de amendoeiras - e a imensidão deserta de Bainema ao lado. Aproveite o conforto e a vista do hotel Alizées (www.hotelalizeesmorere.com; desde R$ 250).

CASSANGE (BA)

Enquanto os holofotes apontam para as piscinas naturais de Taipus de Fora, esta praia da Península de Maraú guarda seus encantos para os iniciados. Uma nova pousada, a Terraços Marinhos, instalou-se numa faixa entre a praia e a lagoa (www.terracosmarinhos.com.br; desde R$ 250).

SANTO ANDRÉ (BA)

A balsa cruza o Rio João de Tiba e leva a uma das praias mais gostosas da Bahia. O restaurante Casapraia concentra a vida social - e tem hospedagem num charmoso bangalô de arquitetura, digamos, nipotropical (www.casapraia.com; desde R$ 240).

TAUÁ (BA)

Uma portuguesa descobriu esta praia do sul da Bahia, que não deve estar muito diferente de como foi vista por Cabral. Ali, 6 km ao sul da Ponta do Corumbau, ergueu o Tauana - um hotel que concilia design contemporâneo e ambiente de praia. Um riozinho ao pé da colina faz as vezes de piscina (www.tauana.com; R$ 1.470, com três refeições).

 

INTERNET PARA VIAGEM | www.idasevindas.com.br

Carla Portilho é uma viajante exemplar: planeja cuidadosamente suas viagens, depois relata o dia a dia e conta o que faria diferente se voltasse. Passe aqui antes de ir a Argentina, Uruguai, Chile e Bolívia.

 

DOSSIÊ | Comer barato em Londres

linkBrick Lane | Desde sempre, a melhor maneira de economizar à mesa em Londres é entrando num restaurante indiano, paquistanês ou bengalês. Esta rua em East London está para as curry shops assim como o nosso Bexiga está para as cantinas italianas. Os críticos desdenham, mas quem se importa?

Metrô: Aldgate East.

linkPrêt à Manger | Quer apostar? Você vai querer fazer todas as suas refeições ligeiras nesta rede de sandubas e comidinhas saudáveis. Há dúzias de filiais: veja em www.pret.com.

linkLittle Vietnam | A Kingsland St., nos arrabaldes da muvuca moderninha de Shoreditch, é um antro de restaurantes vietnamitas escandalosamente gostosos e muito baratos. Entre na fila do Song Que (número 134). Metrô: Old Street.

linkBusaba Eathai | A fórmula é perfeita: cozinha exótica (tailandesa), com cardápio assinado por chef famoso (David Thompson), servida a preços módicos em ambientes charmosos e sempre bochichados. A filial mais à mão é a do Soho (106 Wardour St.). Metrô: Leicester Square.

linkWagamama | Uma rede meio new age, que junta a onda orgânica com o gosto pelo Japão. Gyozas, ramen, yakitoris - sempre em mesas coletivas. Veja os endereços em www.wagamama.com.

linkNando’s | Fundado por portugueses, é como se fosse o Galeto’s em versão londrina. Com um prato que não temos por aqui: o frango piri-piri, com tempero africano bem picante. É impossível não passar por um - mas a lista completa está em www.nandos.co.uk.

 

VIAJE NA PERGUNTA | turista.profissional@grupoestado.com.br

Como um brasileiro pode ver a Copa do Mundo de 2010 na África do Sul?

Wanderley, São Paulo

 

Não há mais ingressos para viajantes independentes que queiram assistir aos jogos do Brasil, Wanderley. Os lotes de ingressos que a Fifa pôs à venda para as partidas da seleção (e de países como Argentina e Itália) evaporaram. Ainda é possível, porém, comprar pacotes com hospedagem, traslados e ingressos, vendidos pelas operadoras credenciadas pela Fifa - www.agaxtur.com.br, Ambiental.tur.br, Marsans.com.br, Pallastur.com.br e StellaBarros.com.br. Os mais baratos, na faixa de US$ 7 mil por pessoa, dão direito aos dois primeiros jogos; os pacotes para ver a Copa inteira chegam a US$ 21 mil. Sinceramente, eu não recomendaria ir à Copa da África do Sul sem o apoio das operadoras. As distâncias são grandes, a logística dos traslados é complicada e os torcedores independentes podem ter dor de cabeça.

 

CASAL SILVESTRE | Sílvio e Flora Silvestre fazem viagens sustentáveis desde quando nem sabiam o que era isso

"Uma dica para quem quer conciliar ecoturismo com cultura e gastronomia: a França inteirinha é entrecruzada por trilhas próprias para andarilhos, as randonnées. Elas foram abertas desde a Idade Média e são preservadas como um tesouro cultural. Com uma mochila leve e um mapa específico, dá para fazer viagens espetaculares, dormindo em albergues e fazendo piqueniques com queijos, pães e embutidos de cada lugar. O melhor site para planejar essa viagem é o www.ffrandonnee.fr. No próximo verão queremos fazer a Provence a pé!"

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.