Passageiro se irrita durante voo com mulher que reclinou assento; quem tem razão?

Ele passou a bater na poltrona dela insistentemente e só parou quando ela começou a gravá-lo. A internet se dividiu entre quem estava certo; veja o vídeo

Da redação, O Estado de S.Paulo

13 de fevereiro de 2020 | 19h42

Imagine que você deitou a poltrona do seu voo para viajar de forma mais confortável e o passageiro sentado atrás começa a bater e chacoalhar seu assento. A pessoa está sem espaço, em uma cadeira sem espaço para reclinar. O que você faria?

Uma passageira da American Airlines dividiu usuários de redes sociais ao expor o colega de voo que atacou o seu assento. O incidente aconteceu nos EUA, em um voo de Nova Orleans para Charlotte. 

A usuária do Twitter, que se identificou como Wendi Williams (@steelersfanOG) contou no microblog que, antes, o homem chegou a pedir que ela retornasse o assento na posição vertical para que ele pudesse abrir a mesa e comer com um pouco mais de espaço. Mas, assim que a refeição terminou, ela voltou a deitar a poltrona. E aí a discussão começou.

"Nesse momento, ele começou a bater", escreveu Wendi . "Foi quando comecei a gravar e tentei chamar a comissária de bordo". O homem, cujo rosto aparece nas imagens, não foi identificado na postagem ou na imprensa americana. "Ele estava com raiva por eu ter reclinado meu assento e o socou cerca de nove vezes", disse a passageira”.

Wendi afirma que o homem só parou de socar a poltrona quanto ela começou a filmar, mas ele seguiu chacoalhando o assento, como mostra o vídeo que já passou de 300 mil visualizações no Twitter.

De acordo com o relato da mulher, a comissária de bordo não interferiu no conflito. “Ela revirou os olhos e me disse: ‘O quê?’”. A professora afirma ainda que a funcionária da American Airlines recomendou que ela fizesse uma queixa ao FBI. Wendi disse ainda que a empresa aérea entrou em contato para se desculpar pelo incidente, mas não assumiu a responsabilidade pela ação da funcionária durante o voo. 

"A comissária me disse para excluir o vídeo e ofereceu a ele um rum de cortesia”, contou em resposta a um usuário do Twitter. Wendi disse também que recebeu uma advertência da companhia aérea.

Reações na internet

A reação dos usuários das redes sociais foi dividida entre os que criticaram a atitude do passageiro e quem apontou a falta de empatia da passageira, que teria sido indelicada ao deitar sua poltrona sabendo que o homem estava sem espaço e desconfortável logo atrás.

Você pagou por um assento que reclina, assim como ele. Por que as pessoas pensam que há um problema em reclinar um assento em um avião? Isso faz parte do que a companhia aérea vende”, disse um usuário identificado como @LBBofHotels. “O assento dele não reclina, então isso é incrivelmente egoísta”, apontou a usuária @Dynamojax.

“Tenho sentimentos mistos sobre isso. Ela está no espaço dele. Mas ele não precisava dar um soco no assento dela! Ele poderia ter pedido para a comissária de bordo ou para a Wendy educadamente para levantar a poltrona”, opinou a jornalista da Fox, Shannon Murray, em seu perfil no Twitter.

Os assentos são reclináveis. Você pode reclinar, não importa o que as pessoas digam. E que você teve a gentileza de dar espaço a ele para a refeição. Foi legal da sua parte. Sou comissária de bordo. Tenho passageiros que reclinam seus assentos o tempo todo nos meus voos. Você pode fazer isso. Ele foi abusivo e errado”, disse o perfil @gildedbadge.

O jornal americano The Washington Post procurou a American Airlines em busca de um posicionamento da empresa. Em nota, a companhia aérea disse estar ciente da disputa entre os passageiros voo. "A segurança e o conforto de nossos clientes e membros da equipe são nossa principal prioridade, e nossa equipe está investigando a questão", afirma a nota.

O Viagem quer saber: Você já passou por uma situação parecida? Como foi? Conte pra gente no nosso Twitter @EstadaoViagem.

Vale contar também outras situações incômodas durante os voos! 

 


 

Tudo o que sabemos sobre:
aviãoturismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.