Marina Vaz/Estadão
Marina Vaz/Estadão

Passeios para conhecer a natureza e os 'alligators' da Flórida

Dar um tempo dos parques de diversão pode ser uma boa aposta de viagem, e a Flórida tem outras atrações além deles

Marina Vaz, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2018 | 04h30

Vale a pena dar um tempo e, para variar, trocar os parques cheios de brinquedos por passeios em meio à natureza. E, o melhor, sem pagar nada por isso. Uma das características geográficas da Flórida são seus pântanos – e você pode ter uma experiência leve e interessante neste ecossistema no Circle B Bar Reserve

A reserva ocupa um terreno de cerca de 5 mil metros quadrados junto às águas do Lago Hancock. Recuperado a partir dos anos 2000, o solo pantanoso da região sofreu, durante sete décadas, ações de drenagem para dar lugar à pecuária. Hoje, a paisagem é bem diferente. 

As trilhas são agradáveis e de baixa dificuldade – por isso, concentre a atenção nas diversas espécies de pássaros e plantas. Em um passeio em carro aberto, também gratuito, surgem nas margens do lago os famosos alligators, os típicos jacarés-americanos. Steve, o guia voluntário que acompanhou meu grupo, apontou para um deles, que nem se abalou com a nossa presença: “Este não é um bom alligator. O bom é aquele que foge quando nos aproximamos.” O belo percurso, que também pode ser feito a pé, seguiu sem sustos. 

A reserva fica a 40 minutos de Orlando.

Jardins de sons

 

Na entrada principal do Bok Tower Gardens, uma frase instiga os visitantes. É algo do tipo: “Torne o mundo um pouco melhor ou mais bonito por você ter vivido nele.” 

A mensagem foi dita pela avó de Edward W. Bok, editor holandês radicado nos Estados Unidos que abriu ao público os jardins em Lake Wales (1 hora de Orlando), em 1929. A extensa área verde, com cerca de 280 hectares, circunda a Singing Tower, uma torre com mais de 60 metros ornamentada com mármore rosa nos estilos neogótico e art déco. Diariamente, às 13h e às 15h, ocorre um concerto em que o carrilhão com 60 sinos de bronze no topo da torre é tocado ao vivo; e as gravações destes sons são executadas a cada meia hora, com uma mescla de repertório erudito e popular. Os sons invadem as trilhas do parque, um acompanhamento encantador para o canto das cerca de 120 espécies de pássaros que vivem ali. Custa US$ 20.

Crianças no jardim. Inaugurado em 2016, o Hammock Hollow Children’s Garden é um espaço voltado especialmente para as crianças. Mas não espere um playground – é bem melhor do que isso. O calçamento revela discretas imagens de animais como sapo, coelho e tartaruga. Uma área com areia convida a brincar com baldes. Esguichos de água saem de pedras. Entre as árvores, cordas trançadas como teia, para explorar. No meio da trilha, instrumentos gigantes de madeira e tubos metálicos incentivam o gosto por fazer música. Há ainda área para desenho e pintura e palco para brincar de teatro. 

  DÊ O PLAY! ORLANDO PARA ALÉM DOS PARQUES DE DIVERSÃO

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.