Passes turísticos na ponta do lápis

Nos últimos dois anos, algumas coisas mudaram no cenário dos passes turísticos, os cartões ou talões de ingressos que dão acesso a várias atrações de uma cidade. O City Pass de Nova York, por exemplo, ficou bem mais caro, enquanto o London Pass e alguns outros adicionaram mais atrações ao seu cardápio.

FELIPE MORTARA, O Estado de S.Paulo

19 Agosto 2014 | 02h06

É verdade que tais passes podem ser bons aliados para economizar com a entrada em atrações nas metrópoles mais concorridas - alguns deles incluem até transporte público por um período determinado e o direito de furar filas. Mas há pegadinhas e especificidades a considerar. Nem sempre vale a pena.

Novidade na capital alemã, o Berlim City Tour Card, por exemplo, inclui transporte e descontos em 50 estabelecimentos. Para aproveitar todos, seria preciso visitar uma média de três atrativos por dia durante cerca de duas semanas na cidade em questão. Nenhum passe turístico é válido por tanto tempo assim.

A receita de economia inclui fazer contas. Pesquise as atrações que quer visitar dentro do tempo que tem disponível, some os preços e compare com o valor do passe. A seguir, você encontra mais dicas.

 

PARIS

Em 2012, eram duas; agora, há três opções de cupons turísticos na Cidade Luz. O Paris Museum Pass (parismuseumpass.com) dá acesso a mais de 60 museus e monumentos, entre eles Arco do Triunfo, Museu do Louvre e Centro Pompidou, e tem versões de 2, 4 ou 6 dias – a partir de € 42.

 Já o Paris Visite (parismetro.com) é um cartão válido para ônibus, metrô e trem dentro das zonas 1 a 3 (a Disney Paris e o outlet de Marne La Vallé estão fora dessa área), para um período de 1 a 5 dias e custa a partir de € 12.

 A terceira (e mais nova) opção é o Paris Pass (parispass.com), que inclui os dois anteriores mais ônibus turístico, degustação de vinhos, cruzeiro pelo Rio Sena e o Palácio de Versailles – custa  € 117, para 2 dias.

Vale a pena se...

Com o Museum Pass, dá para visitar museus concorridos como o Louvre (foto), sem pegar fila. E repetir a visita. O Paris Visite é para quem tem preguiça de contar moedas e não quer se preocupar em decifrar as máquinas automáticas, ou vai usar muito transporte público (tenha em mente que cada viagem custa desde € 1,70). Se você tem muita, mas muita vontade de embarcar num cruzeiro pelo Sena e fazer uma degustação pega-turista, encare o Paris Pass.

Não vale a pena se…

Subir na Torre Eiffel for seu grande objetivo – nenhum dos passes dá acesso a ela. Ou se quiser gastar mais tempo batendo perna nas Galerias Lafayette que nas atrações históricas. O Museum Pass é vantajoso para quem fica mais dias na cidade. Quanto ao Paris Pass, bem, você certamente vai encontrar coisa melhor para fazer na cidade com € 117.

 

BERLIM

Fique atento: há três cartões de descontos diferentes na capital alemã. A novidade é o Berlin City Tour Card (citytourcard.com/en/ berlin), que inclui transporte e descontos em 50 estabelecimentos, como museus e city tours alternativos, lojas, bares e baladas. Além disso, conta com duas versões: verão e inverno.

O Berlin WelcomeCard (visitberlin.de) é o mais popular. Válido por períodos entre 2 e 5 dias, pode ser usado para circular livremente pela rede de transporte público. Apesar de não garantir gratuidade em todas as 200 atrações que engloba, concede reduções entre 25% e 50%. E inclui clássicos, como os acervos da Ilha dos Museus..

 Já o Berlin Pass (berlinpass. com) conta com 50 atrações em seu pacote, além de transporte público, ônibus turísticos (os hop on-hop off) e tours de bicicleta.

Vale a pena se…

Para conhecer os clássicos, a melhor opção é o Welcome Card

(€ 38,50, 3 dias). Faça as contas: apenas o Pergamon, na Ilha dos Museus, custa A 12; o Jewish, mais A 8. Somando com todo o transporte que você usará nesses dias, tudo mais que você conseguir visitar é lucro.

Mais caro (€ 93, 3 dias),

o Berlin Pass exige que se faça um planejamento detalhado antes da compra, sob pena de pagar mais por menos.  

O Berlin City Tour Card (€ 23,90, três dias) é para quem já conhece o básico.

Não vale a pena se...

Ficar apenas um dia e não pretender fazer grandes deslocamentos; não se programar para visitar o maior número de atrações possível durante a validade do passe (ou desistir das visitas porque está um dia lindo).

 

LONDRES

Em dois anos, o London Pass (londonpass.com) ampliou o leque de atrações contempladas: de 55, agora são 60, sem nenhum acréscimo relevante no preço do passe turístico. O cartão pode incluir o Travelcard, com descontos para viagens ilimitadas de trem, metrô e ônibus entre as zonas 1 e 6 da cidade. Para dois dias, o passe custa 68 libras (R$ 260); com o TravelCard, 87 libras (R$ 330).

Vale a pena se...

Estiver em Londres pela primeira vez e quiser visitar três grandes pontos turísticos por dia sem gastar muito com transporte, já que cada trecho de metrô custa 4,50 libras (R$ 17) e o ônibus, 2,40 libras (R$ 9). Na ponta do lápis: a entrada na Torre de Londres custa 22 libras (R$ 84); na Abadia de Westminster (foto) são 18 libras

(R$ 69); e no Castelo de Windsor mais 18,50 libras (R$ 70); ou seja, um total de 58,50 libras (R$ 223). No fim, compensa – mas você vai ter de se apressar para ver tudo. Também é bom para quem tem preguiça de filas.

Não vale a pena se...

Quiser priorizar o circuito dos grandes museus, como a Tate Modern e o British Museum, cuja entrada é gratuita. Ou só dar uma volta, respirar os ares londrinos e tirar uma foto à frente do Big Ben e da London Eye.

NEW YORK

O City Pass (citypass.com/new-york) vale por 9 dias e garante entrada em seis badalados pontos turísticos de Nova York. Empire State Building (foto), Museu de História Natural, Metropolitan e MoMA estão garantidos; você terá de escolher uma única opção entre Guggenheim ou Top of the Rock, e entre Estátua da Liberdade com Ellis Island ou passeio de barco pelo Rio Hudson.  

A má notícia é que, desde 2012, o preço do talão de ingressos deu um salto proporcional ao número de brasileiros batendo pernas na Quinta Avenida. Custava US$ 89 e agora sai por US$ 109. Outra agravante é que, exceto o ferry para as ilhas, não inclui transporte coletivo.

O New York Pass (newyorkpass.com) é mais em conta (US$ 85) e oferece benefícios parecidos, porém peca ao não incluir fila preferencial para subir ao Empire State Building, onde o visitante fica ao menos uma hora em pé até conseguir ter a vista cinematográfica da metrópole.

Vale a pena se...

Caso seja sua estreia na Big Apple ou queira visitar apenas os quatro principais museus, o City Pass compensa, já que a soma dos valores das entradas para adultos em todos esses pontos turísticos é de US$ 99. Vale ainda se pretende visitá-los mais de uma vez, evitando filas. Se você já conhece o Empire State e está interessado em rir no museu de cera Madame Tussauds, o New York Pass é a pedida.

Não vale a pena se...

Estiver mais focado em aproveitar liquidações de fim de estação. Ou se for um visitante experiente e pretender conhecer apenas três das atrações contempladas, com muito pique para encarar filas.

 

 

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.