Passo a passo sobre o Perito Moreno

Principal atração de El Calafate, a geleira faz parte do Parque Nacional Los Glaciares, Patrimônio Mundial da Humanidade

Bianca Pinto Lima , O Estado de S. Paulo

14 Julho 2014 | 21h02

EL CALAFATE - Perito Moreno, principal atração de El Calafate, faz parte do Parque Nacional Los Glaciares, Patrimônio Mundial da Humanidade pela Unesco. A famosa massa de gelo não ostenta os títulos de maior nem de mais alta do Lago Argentino, mas todos alardeiam que, sem dúvida, é a mais bela. Fácil de comprovar.

Primeiro nos aproximamos por água e a enorme parede branca, de 5 quilômetros de comprimento e 60 metros de altura, se impôs diante das embarcações. O dia havia amanhecido chuvoso e o vento do lado de fora do barco castigava os mais aventureiros. Na Patagônia, no entanto, o clima muda rapidamente e a saída é vestir-se em camadas. Luva, gorro e óculos escuros são itens importantes.

Após o desembarque, iniciamos a caminhada. Eis outro diferencial do Perito Moreno: é possível chegar a ele por terra, um dos únicos no mundo em tal situação. E, quando a geleira surge em meio às árvores, todos correm para agarrar suas máquinas fotográficas, tamanho o impacto. 

E isso era apenas o começo do trekking no gelo, um dos passeios mais procurados e surpreendentes. Os primeiros passos são hesitantes, mas a adaptação costuma ser rápida. Após alguns metros, já é possível relaxar e contemplar a imensidão branca - agora de dentro dela. 

Além dos casacos, é necessário um calçado confortável e com cadarço. Nele, os instrutores amarram o crampon, uma espécie de base metálica com pinos, que ajuda a dar sustentação em cima do glaciar. É possível escolher entre duas opções de caminhadas: com duração de 1h40 ou quatro horas. 

Importante mencionar que nessa área do parque não há restaurantes, então deve-se levar lanche para o almoço. Se o clima permitir, a refeição poderá ser saboreada em mesinhas com vista para o glaciar. 

Privilégio. Quando o passeio parecia ter chegado ao fim, seguimos para as passarelas, onde é possível observar a geleira por diversos ângulos. A área foi reformada há quatro anos e hoje é acessível a crianças, idosos e deficientes. A visão é impactante: o bloco de gelo se une ao horizonte e parece não ter fim. 

Vale a pena reservar alguns minutos de tranquilidade para sentar em um dos bancos e simplesmente contemplar. Por vezes, o silêncio é interrompido por fortes estrondos. São os pedaços da geleira que se desprendem e caem com força no lago. 

De tempos em tempos, o glaciar avança até tocar uma parte da terra e formar uma ponte. Seu desabamento é um espetáculo midiático na Argentina, atraindo milhares de olhos. 

Apesar disso, o Perito Moreno é um caso raro de glaciar em equilíbrio: ganha a mesma quantidade de área que perde. Segundo especialistas, a maioria das geleiras da região tem diminuído, mas é um movimento natural, já que não vivemos uma era glaciar. O aquecimento global, no entanto, ajuda a acelerar parte do processo. 

MAIS PASSEIOS

1. Escalada

Alguns dos picos mais desafiadores do planeta estão na região. Os cerros Fitz Roy, Chaltén e Torre superam os 3 mil metros acima do nível do mar. Expedições aos cumes são recomendadas para quem tem experiência e devem ser feitas com guias

2. A pé ou na rota 

Na província de Santa Cruz fica a capital argentina do trekking, El Chaltén (elchalten.com), onde há inúmeras possibilidades de circuito. Ali também começa a Ruta 40, rodovia que atravessa o território argentino de sul a norte em mais de 5 mil quilômetros de paisagens estonteantes

3. Laguna Nimez

Indicada para quem gosta de se sentir mais perto da natureza. Destaque para a reserva de avifauna onde vivem mais de 80 tipos de aves. Há flamingos, patos e cisnes, entre outras. As trilhas são sinalizadas e trazem informações sobre as espécies locais. Também conta com um herbário 

4. Arte ancestral

O legado cultural dos primeiros habitantes da região está gravado na Cueva de las Manos, que reúne pinturas rupestres de mais de 9 mil anos tombadas pela Unesco. Minerais da região foram usados na obtenção de diferentes tonalidades. Faça o passeio com guia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.