Rodrigo Cavalheiro/Estadão
Rodrigo Cavalheiro/Estadão

Patrimônio às margens do rio perfumado

Símbolo cultural do Vietnã, Hue ganhou o título de Patrimônio Mundial da Unesco por seus templos, pagodes, palácios e túmulos, os mais bonitos do país. Os monumentos são considerados pérolas não só pela arquitetura, mas pela maneira como se integram ao Rio Perfume.

HUE, O Estado de S.Paulo

23 Julho 2013 | 02h20

Não é por acaso que o rio tem tal nome. No outono, as orquídeas das árvores das margens caem nas águas e a correnteza se encarrega de espalhar o aroma. Em meio a esse mimo da natureza, os imperadores da dinastia Nguyen - que dirigiu o país de 1802 a 1945 - decidiram erguer a então capital do império.

A cidadela imperial, que começou a ser construída em 1804, é um dos tesouros arquitetônicos do Vietnã. Grande parte foi bombardeada na guerra contra os Estados Unidos (1959- 1975), mas os prédios que resistiram passaram por um processo de restauração suficiente para se imaginar como era a vida dos imperadores e suas rainhas e concubinas. Caso do Thai Hoa Palace, onde ocorriam suntuosas recepções. O belo palácio é sustentado por 80 colunas esculpidas e envernizadas.

No centro da cidadela ficava a Cidade Proibida, reservada à família do imperador. Havia prédios diferentes para a esposa, concubinas e para a mãe dele. Os únicos homens que podiam entrar eram eunucos.

A 4 quilômetros da cidadela imperial está outra estrutura icônica do país: a torre que fica em frente ao Pagode Thien Mu, de 21 metros de altura. Dali, tem-se uma bela vista do Rio Perfume, o que faz deste templo um dos mais belos do Vietnã. Ignore as praias: são feias e a comida é cara.

Memória. Visitar túmulos em Hue não tem nada de mórbido. Trata-se de um passeio pela natureza, com pílulas de história. Os imperadores eram enterrados em locais afastados, cercados por belos jardins, lagos e monumentos. O túmulo de Tu Duc, considerado por muitos o último verdadeiro imperador vietnamita (reinou de 1847 a 1883), foi construído entre 1864 e 1867, ainda durante seu governo. A 8 quilômetros de Hue, o complexo fica em um vale e era uma espécie de casa de campo, um refúgio para Tu Duc fugir dos problemas e escrever poesias. Para chegar ali, é preciso andar pelas alamedas até uma área cercada por estátuas de cavalos e mandarins. Sua missão: proteger o imperador na vida eterna.

Outro que vale a visita é o de Minh Mang, o segundo imperador da dinastia, que reinou de 1820 a 1840. A 12 quilômetros de Hue, é considerado o mais majestoso da cidade e um exemplo da arquitetura vietnamita, já que os prédios se integram com o ambiente, cercado por lagos e florestas. /ADRIANA PLUT

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.