Pecados em liquidação

Descontos em diárias e vitrines comprovam: este é o momento de ir a Las Vegas

Paula Pacheco, O Estado de S.Paulo

26 Janeiro 2010 | 02h00

LAS VEGAS

Cobiçar Las Vegas deixou de ser pecado. Ao menos neste período, quando os Estados Unidos ainda lutam para emergir da crise econômica que assolou o mundo entre o fim de 2008 e o ano passado. Como o número de turistas caiu muito desde então, a cidade conhecida como a capital mundial do entretenimento está, por assim dizer, em liquidação. Sob medida para carteiras não tão recheadas.

Empenhados em atrair visitantes e voltar aos bons tempos, os estabelecimentos turísticos apostam em diárias atraentes e adesivos indicativos de sale e 50% off. Restaurantes, inclusive os de primeira linha, criaram alternativas de menus completos por preço fixo - e bem mais em conta que as opções que surgem nos cardápios seguidas por vários cifrões -, com entrada, prato principal, sobremesa e uma bebida (leia mais na página 5).

A redução geral nas diárias nos hotéis também prova que a hora para visitar Las Vegas é agora. Para se ter uma ideia, o valor médio cobrado há cerca de um ano era de US$ 115,68 (R$ 206). Hoje, é de US$ 99,59 (R$ 178), ou 13,9% mais em conta.

As opções variam conforme o bolso. Só no megacomplexo de hospedagem, negócios e lazer CityCenter, o mais novo da cidade, você pode escolher entre a diária amigável do Vdara (US$ 129 ou R$ 230, mais US$ 15 ou R$ 26 por dia para usar a infraestrutura do resort), a intermediária do Aria (desde US$ 199 ou R$ 355) e os valores mais salgados do luxuoso Mandarin Oriental (a partir de US$ 345 ou R$ 615). A construção consumiu US$ 8 bilhões em investimentos.

Os pacotes se tornam mais vantajosos quanto mais tempo o turista pretende ficar na cidade. Ao se hospedar por várias noites num mesmo hotel, vale a pena chorar por uma cortesia, que muitas vezes vem na forma de cartões com créditos para serem usados no cassino.

Tudo nos Hotéis

Las Vegas tem o maior número de quartos de hotel do planeta. Se decidisse dormir uma noite em cada um, o visitante precisaria de nada menos que dez anos e meio. Boa parte destes estabelecimentos tem seu próprio cassino. São, aliás, verdadeiros complexos de lazer cinco-estrelas, com restaurantes conceituados, spas, piscinas, e shows.

Não estranhe se achar a decoração dos espaços um tanto extravagante. Néons são uma das marcas de Las Vegas, afinal. Em vários momentos, tem-se a impressão de que o decorador passou da conta na hora de escolher luzes e cores. O alívio está dentro dos quartos, mais sóbrios. É o caso das suítes do Encore, um dos hotéis mais novos da cidade, com uma bela vista noturna.

Apostar nos cassinos, que nunca fecham, é um dos passatempos preferidos. Mas não o único. A intensa vida noturna, repleta de shows e baladas, vai manter você acordado por boas horas durante a madrugada.

Cansado da maratona de jogos, passeios e compras? É provável que exista um spa a poucos passos do seu quarto. Mas não há porque se limitar aos domínios de sua hospedagem em uma cidade lotada de espaços de beleza e bem-estar. Apesar de ficarem dentro dos hotéis, estão abertos a não hóspedes.

Se decidir que os dólares economizados nas promoções de restaurantes e lojas podem ser investidos em um tratamento caprichado, fique com a mistura de técnicas da fusion massage do The Spa, no Hotel Encore. São 50 minutos de relax por US$ 150 (R$ 267).

CityCenter: citycenter.com

Aria: arialasvegas.com

Vdara: vdara.com

Mandarim Oriental: m.mandarinoriental.com/lasvegas

The Spa at Encore: encorelasvegas.com

Viagem a convite do Visit Las Vegas

Confira a galeria de fotos

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.