Bilton Fukuda/Estadão
Bilton Fukuda/Estadão
Imagem Adriana Moreira
Colunista
Adriana Moreira
Conteúdo Exclusivo para Assinante

Perrengue chique

Viagem e perrengue andam sempre juntos - por mais que, nas redes sociais, a gente não mostre nada disso. Mas há como evitar alguns deles

Adriana Moreira, O Estado de S.Paulo

12 de novembro de 2019 | 05h00

Por mais que a gente queira exaltar nas redes sociais, viagem e perrengue andam juntos. Só a premissa de passar horas apertado dentro de um avião já é um perrengue. Fila da imigração, outro. Entender o cardápio em outra língua. Fazer de tudo para não cair em armadilhas para turistas e, ainda assim, cair em várias delas.

Não é à toa que o perfil do Instagram @perrengue_chique se tornou tão popular. Não tem como não se identificar com algumas das roubadas clássicas de viagem enviadas por seguidores, como aquele lindo mirante que está nublado bem no dia que você vai visitá-lo, a fila na montanha-russa em Orlando. Eu já me vi em várias das situações postadas ali – e ri bastante. Alguns desses perrengues são obra da natureza ou fruto do acaso e não há nada que se possa fazer. Outros podem sim ser evitados: pergunte-me como.

Expectativa x realidade

Crie galinhas, crie cachorros, mas não crie expectativas. Vale para relacionamentos, vale para política e vale também para viagens. Fotos incríveis de lugares paradisíacos são feitas por fotógrafos locais, que podem se dar ao luxo de esperar o dia perfeito para garantir o clique que fará turistas do mundo todo almejarem aquele destino. Busque mais realidade que expectativa: fotos de turistas reais, jornais locais, reportagens. Isso não significa adotar uma postura pessimista, mas ter em mente que a viagem valerá a pena independentemente de o clima estar perfeito ou de você reproduzir a mesma foto que foi feita à exaustão. Dias nublados podem render lindas fotos em preto e branco, por exemplo.

Planejar e se informar

A gente sempre bate nessa mesma tecla aqui no Viagem e não é à toa. Viajante que lê e se informa sabe qual a melhor época do ano para evitar multidões, encontrar o melhor clima ou pagar menos. E que dificilmente vai conseguir juntar essas três coisas na mesma viagem. Estabeleça prioridades: você sonha em ir para o Caribe e encontrou um pacote superbarato? Provavelmente trata-se da baixa temporada: vá consciente que pode chover (há chance de furacões). Só pode viajar nas férias de julho para a Europa? Vai estar tudo cheio e caro, mas com uma imensa quantidade de festivais e opções culturais gratuitas bacanas.

Não quer multidões? Acorde cedo

Se você quer uma foto sua na Fontana de Trevi sem precisar se acotovelar com ninguém, chegue antes das 7h. Em Kyoto, Japão, o melhor passeio que fiz partia 5h30 da manhã, de bicicleta. Não havia ninguém nas ruas – dava para fotografar os templos com a linda luz do início da manhã. Claro que nesse horário eles ainda não estão abertos para serem visitados: fiz isso em outro dia, mas cheguei no primeiro horário, antes das excursões. Essa regra pode ter exceções. Visitei o Louvre à noite (o museu parisiense tem horário estendido às quartas e sextas-feiras) e foi a melhor coisa que fiz.

Seja flexível

Claro que nem sempre é possível planejar uma viagem menos corrida ou deixar para comprar ingressos em cima da hora para determinada atração. Mas tente ter maleabilidade para aquele programa que você mais quer fazer durante a viagem. Assim, você consegue checar a previsão do tempo no local – e trocar o dia do passeio ao ar livre, com previsão de chuva, por um dia de museu. Ou mesmo por um dia de descanso para aproveitar seu hotel.

Se o perrengue for inevitável, não se estresse

Podem falar que é coisa de tilelê, mas acredito que energia positiva atrai energia positiva. O pobre atendente no aeroporto não perdeu sua bagagem: ele é apenas o mensageiro do apocalipse. Tratá-lo mal não vai fazer aparecer sua mala. É claro que a dobradinha cansaço + estresse andam juntos e todo mundo pode perder a cabeça. Mas que tal uma atitude diferente? O perrengue chique de hoje pode ser a história de viagem de amanhã – ou, pelo menos, o post no Instagram. Agora, por exemplo, escrevo esta coluna num voo de 12 horas da Alitalia sem entretenimento de bordo. Alô, perrengue chique...

*Envie sua pergunta para viagem.estado@estadao.com.

Tudo o que sabemos sobre:
turismo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.